25 de Agosto de 2010

O 25 de ABRIL: 1ª e 2ª SENHA

«1- A confirmação do início das operações é determinada por qualquer dos seguintes sinais indicados nos parágrafos 2 e 3.
2- As vinte e duas horas e cinquenta e cinco minutos do dia 24 de Abril de 74 será transmitido pelos "Emissores Associados de Lisboa" uma frase indicando que faltam cinco minutos para as vinte e três horas e anunciando o disco de Paulo de Carvalho, E depois do Adeus


«3-Entre as zero horas e a uma hora do dia 25 de Abril de 74, através do programa da Rádio Renascença, será transmitida a seguinte sequência:
a) Leitura da estrofe do poema Grândola Vila Morena:
Grândola Vila Morena
Terra da Fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade
b) Transmissão da canção do mesmo nome, interpretada pelo cantor Zeca Afonso.»



4- Qualquer um dos sinais (...) confirma totalmente, por si só, o início das operações, que a partir de então se tornam irreversíveis para todas as unidades.»

Texto do anexo ao Plano Geral das Operações, coordenado por Otelo Saraiva de Carvalho

O 25 de ABRIL

Comunicado do Movimento das Forças Armadas

Reportagem da RTP no dia 25 de Abril de 1974, junto ao Quartel do Carmo

PORTUGAL NO SÉCULO XIII


































PORTUGAL NO SÉCULO XIII
Desde a morte de D. Afonso Henriques, em 1185, até meio do século XIII, os reis portugueses continuaram a combater os mouros e a alargar o território para sul. Esta luta foi feita de avanços e recuos, como podes verificar nos mapas. Só em 1249, no reinado de D. Afonso III, se deu a expulsão definitiva dos mouros, com a conquista do Algarve.
Em 1297, estabelecem-se as fronteiras definitivas de Portugal no Tratado de Alcanizes.






OS MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA: MOUROS

Os Muçulmanos na Península Ibérica
No século VIII (711) a Península Ibérica foi de novo invadida, desta vez pelos Muçulmanos vindos do Norte de África.
Quem eram os Muçulmanos?
Os Árabes são originários da Península da Arábia, uma zona desértica da Ásia, situada entre o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico. Muito pobres, viviam divididos em tribos, dedicavam-se à pastorícia e ao transporte de mercadorias através do deserto. A sua principal cidade era Meca onde, no século VII, Maomet funda uma nova religião - o Islamismo - a que se converteram todas as tribos.
Os seguidores desta religião são os Muçulmanos.
guerreiros árabes

Por que se expandiram os Muçulmanos?
Após a morte de Maomet, os Muçulmanos iniciaram a sua expansão para a Ásia, o Norte de África e a Península Ibérica.
Pretendiam:
expandir o Islamismo, procurando converter outros povos à sua religião;
procurar novas terras e riquezas, para melhorar as suas condições de vida.
Em 711, os Muçulmanos invadem a Península Ibérica, derrotam os Visigodos na batalha de Guadalete e em poucos anos ocupam todo o território, à excepção de uma zona a Norte, as Astúrias

OS ROMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA: OS ROMANOS

Os Romanos na Península Ibérica
Há cerca de 2200 anos a Península Ibérica foi conquistada por um povo muito poderoso: os Romanos.
Este povo era originário de Roma, na Península Itálica, mas cedo alargaram o seu território conquistando territórios em torno do Mar Mediterrâneo a que passaram a chamar "mare nostrum" - o nosso mar.
Com estas conquistas, os Romanos pretendiam aumentar os seus territórios, apoderar-se das riquezas naturais dessas zonas e dominar o comércio do Mediterrâneo.
Os Romanos tinham um forte exército, muito organizado e bem armado o que lhes permitiu conquistar este vasto império, isto é, um conjunto de territórios habitado por vários povos mas sujeitos ao poder de um mesmo chefe - o imperador.

PRIMEIROS POVOS: A PRÉ-HISTÓRIA

As primeiras comunidades recolectoras
Desde há muitos milhares de anos que o Homem habita a Península Ibérica. Vieram de África através do estreito de Gibraltar.
Esses primeiros homens viviam em pequenos grupos; tiveram de ser muito hábeis e só o esforço de todos lhes permitia vencer as dificuldades: o frio era intenso, a neve era muita, dependiam totalmente do que a Natureza lhes dava porque as suas técnicas eram muito primitivas.
Eram recolectores, isto é, viviam apenas do que recolhiam através da pesca, da caça, da apanha de frutos, raízes, folhas.
O Homem...
... protegia-se do frio... construindo refúgios e vivendo em cavernas; vestindo-se de peles dos animais que caçava;
... fabricava instrumentos... de madeira, pedra, osso;
... dominava o fogo... para se aquecer, cozinhar os alimentos, iluminar as cavernas, afugentar os animais ferozes;
... era nómada..., isto é, deslocava-se permanentemente em grupo, procurando os locais onde viviam os animais que caçavam;
... era artista e mágico... fazendo pinturas e gravuras nas paredes das cavernas ou nas rochas - arte rupestre.
Ainda hoje é um mistério o seu significado mas, possivelmente, faziam-no para trazer sorte às caçadas e abundância de alimentos.

PORTUGAL NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX - A MODERNIZAÇÃO DO REINO

Máquina a vapor
PORTUGAL NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX - A MODERNIZAÇÃO DO REINO
Na primeira metade do século XIX, as invasões francesas e a guerra civil impediram que Portugal se desenvolvesse economicamente.
Na segunda metade do século XIX, os governos liberais vão tomar medidas de desenvolvimento e modernização de Portugal.
Na agricultura
Dividiram a terra:
- tirando-a à nobreza e ao clero e vendendo-a à burguesia;
- acabando com o "morgadio" (o filho mais velho herdava toda a propriedade);
- dividindo os baldios (terrenos incultos)
Introduziram novas técnicas de cultivo (alternância de culturas, sementes seleccionadas, adubos) Introduziram novas alfaias e máquinas agrícolas.
Na exploração mineira
Desenvolveu-se a exploração mineira, sobretudo minas de cobre, ferro e carvão.
Junto a minas surgiram novas povoações
O carvão passou a ser a principal fonte de energia para uso doméstico e para a indústria.
Na indústria
No século XIX a indústria passou a utilizar máquinas.
Mas a grande "revolução" na indústria deu-se com a máquina a vapor.
Em Portugal a primeira foi usada em 1835.
A introdução das máquinas na indústria permitiu:
produzir em maior quantidade
produzir mais rapidamente
produzir em série
utilizar a divisão de tarefas
tornar os produtos mais baratos

O 25 DE ABRIL E A CONSTRUÇÃO DA DEMOCRACIA: A REVOLUÇÃO DO 25 de ABRIL-1974

O Estado Novo: Fascismo
Em 1968 Salazar adoece e é substituído na chefia do Governo por Marcelo Caetano. Mantinham-se a falta de liberdade, a guerra colonial, a proibição de partidos, as duras condições de vida que levavam à emigração. Portugal estava cada vez mais isolado internacionalmente e o descontentamento era cada vez maior.
Nesta situação, e cansados de uma guerra que parecia não ter fim, um grupo de jovens militares formou o Movimento das Forças Armadas (MFA) e preparou em segredo um golpe militar para derrubar a ditadura.
Golpe de estado
No dia 25 de Abril de 1974, várias unidades militares avançaram sobre Lisboa e, sem encontrar resistência, ocuparam pontos importantes no país, derrubaram o governo, prenderam Marcelo Caetano e Américo Tomás (posteriormente exilados para o Brasil).
Para a vitória dos militares muito contribuiu a população que logo aderiu ao movimento militar, saiu à rua em massa e apoiou os soldados.
O Programa do MFA
O poder foi entregue a uma Junta de Salvação Nacional, constituída por militares e presidida pelo General Spínola. Foi apresentado o programa do MFA com as orientações políticas até ser elaborada nova constituição: democratização da sociedade portuguesa através de medidas que restituíam as liberdades aos cidadãos:
libertação dos presos políticos; extinção da PIDE, da Legião e da Mocidade Portuguesa; abolição da censura e reconhecimento da liberdade de expressão; discussão do problema da guerra colonial

OS ANOS DA DITADURA: A DITADURA EM PORTUGAL

O Golpe Militar do 28 de Maio
General Gomes da Costa
A 1ª República foi marcada pela instabilidade política e pelo descontentamento generalizado.
A 28 de Maio de 1926, um grupo de militares conservadores, comandados pelo general Gomes da Costa, partiu de Braga em direcção a Lisboa e promoveu um golpe militar que fez cair a 1ª República.
A ditadura militar
O presidente da República, Bernardino Machado, demitiu-se, o Parlamento foi encerrado e os militares entregaram o governo a um dos revolucionário, Mendes Cabeçadas.
Foi então instaurada uma ditadura militar (1926 - 1933) que suspendeu as liberdades fundamentais:
não houve mais eleições;
os governos eram escolhidos pelos militares;
foram proibidas as greves e manifestações;
a imprensa passou a ser controlada pela censura;
foi proibida a oposição ao governo.

A REVOLUÇÃO REPUBLICANA: A REPÚBLICA

A Queda da Monarquia
O Mapa Cor-de-Rosa e o Ultimato
Nas últimas décadas do século XIX, o descontentamento da população crescia. Para pagar as obras públicas, o governo contraía dívidas, aumentava os impostos, e o custo de vida subia. Os pobres estavam mais pobres e os ricos mais ricos.
Na Europa, crescia o interesse pelos territórios em África, fonte de matérias-primas para a indústria: algodão, café, ouro, diamantes. Os portugueses fizeram viagens de exploração no interior africano, entre Angola e Moçambique.
Os países mais industrializados (Grã-Bretanha, França, Alemanha) procuravam também assegurar a posse de vários territórios em África. Em 1884-1885, esses países reuniram-se na Conferência de Berlim e decidiram que os territórios africanos seriam dos países que os ocupavam efectivamente, e não dos que os haviam descoberto.
Portugal reage apresentando o Mapa Cor-de-Rosa, no qual exigia para si os territórios entre Angola e Moçambique.
Em 1890, a Inglaterra (que nunca aceitou o Mapa Cor-de-Rosa) apresenta ao rei D. Carlos I um Ultimato: ou os portugueses desocupavam os territórios entre Angola e Moçambique ou o governo inglês declarava guerra a Portugal.
Para grande descontentamento da população, o governo português aceitou este Ultimato.
O Regicídio
Neste clima de descontentamento contra a monarquia, as ideias republicanas ganham adeptos: defendem um presidente eleito à frente do governo, e não um rei. Forma-se o Partido Republicano.
Em 31 de Janeiro de 1891 dá-se no Porto a primeira revolta armada contra a monarquia. No dia 1 de Fevereiro de 1908, em Lisboa, ocorre o regicídio: são mortos num atentado o rei D. Carlos I e o príncipe herdeiro, D. Luís Filipe.
Sobe ao trono D. Manuel II que viria a ser o último rei em Portugal.

A Revolta do 5 de Outubro de 1910
A revolução republicana começou em Lisboa na madrugada de 4 de Outubro de 1910.
Partiu de pequenos grupos de conspiradores a que a população aderiu.
O exército monárquico não se conseguiu organizar e os revoltosos venceram.
Na manhã de 5 de Outubro de 1910, dirigentes do Partido Republicano, na varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, proclamaram a implantação da República em Portugal.
Neste dia terminou a monarquia em Portugal.

1820 E O TRIUNFO DOS LIBERAIS: AS INVASÕES NAPOLEÓNICAS

A Revolução Francesa
Em 1789, em França, uma revolução pôs fim ao absolutismo: a Revolução Francesa.
Os revolucionários defendiam ideias como a igualdade de todos os cidadãos perante a lei, a liberdade e a fraternidade. Defendiam ainda a separação de poderes que, na monarquia absoluta, estavam concentrados no rei.
Sentindo-se ameaçados pelo triunfo dos revolucionários franceses, os reis absolutos da Europa declararam guerra a França. Foram derrotados pelas tropas do general francês Napoleão Bonaparte, mais tarde imperador.
O Bloqueio Continental
Só a Grã-Bretanha continuava a resistir. Napoleão decretou então (1806) o Bloqueio Continental: todos os países europeus deviam fechar os seus portos aos navios ingleses.
Portugal demorou a cumprir a ordem de Napoleão, porque era aliada da Grã-Bretanha e porque essa medida iria prejudicar a economia portuguesa (a maior parte do nosso comércio era com esse país).
Napoleão ordenou então a invasão e conquista de Portugal.
A saída da corte para o Brasil
Quando as tropas de Napoleão já estavam em Portugal, o príncipe regente, D. João, decidiu refugiar-se no Brasil. Foi acompanhado por toda a família real e parte da corte, ficando o governo do Reino entregue a uma regência.
As invasões francesas
As tropas francesas invadiram Portugal por três vezes:
1ª invasão - 1807/1808 - General Junot
2ª invasão - 1809 - General Soult
3ª invasão - 1810/1811 - General Massena
Durante as invasões, os soldados franceses roubaram, incendiaram povoações, destruíram colheitas e mataram pessoas, o que revoltou a população.
Para resistir, Portugal pediu ajuda à Grã-Bretanha. O exército português e inglês contou com a ajuda da população, pois os movimentos de resistência popular apareceram por todo o país.
Finalmente, em 1811, os Franceses são definitivamente derrotados.

PORTUGAL NO SÉCULO XIII: O IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVIII

Durante o domínio filipino, os inimigos de Espanha (Holanda, Grã-Bretanha, França) ocuparam parte do Império Português, sobretudo a Oriente.
O Brasil veio então tomar o lugar que tinha antes a Índia na economia portuguesa. O açúcar, primeiro, o ouro e os diamantes, depois, eram agora as principais riquezas que chegavam ao reino.
Muitos milhares de colonos portugueses emigraram para o Brasil, na esperança de enriquecer.
Mas as plantações de açúcar e os engenhos exigiam muita mão-de-obra.
Os primeiros colonos tentaram utilizar os índios como mão-de-obra escrava. Mas estes, habituados à liberdade, não se adaptaram ao trabalho: revoltavam-se, adoeciam, fugiam... Foi de África que começaram a vir os escravos necessários à cada vez maior produção de açúcar.
O principal comércio fazia-se, assim, através do Atlântico: os navios partiam de Portugal e dirigiam-se à costa africana, de onde levavam sobretudo escravos para o Brasil; daqui, traziam açúcar, ouro e diamantes.
Os escravos trabalhavam nas plantações de açúcar, nos engenhos e nas minas.

DA UNIÃO IBÈRICA À RESTAURAÇÃO:UNIÃO IBÉRICA

A MORTE DE D. SEBASTIÃO E A SUCESSÃO AO TRONO
D. Sebastião, neto de D. João III, subiu ao trono com apenas 14 anos, em 1568. Rodeado de um grupo de nobres, jovens e impulsivos, planeou fazer conquistas no Norte de África, aproveitando as lutas que aí se davam entre os Muçulmanos.
Em 1578, partiu para Marrocos chefiando uma expedição militar de 17 000 homens. Esta expedição teve resultados desastrosos: os portugueses são vencidos na Batalha de Alcácer Quibir e D. Sebastião morre juntamente com 7 000 soldados. Os restantes são feitos prisioneiros.
OS PRETENDENTES AO TRONO
A D. Sebastião sucede o seu tio-avô, o Cardeal D. Henrique, que por sua vez morre em 1580, sem sucessores.
Surgem então como pretendentes ao trono:
Filipe II, rei de Espanha;
D. António, prior do Crato;
D. Catarina de Bragança.
Tal como em 1383-85, os portugueses dividem-se:
o povo, para não perder a independência, apoia D. António, prior do Crato;
a nobreza, o clero e a burguesia apoiam Filipe II, rei de Espanha, esperando assim obter privilégios e riqueza.
Filipe II invade Portugal e D. António organiza a resistência aos invasores mas é derrotado em Alcântara, em 25 de Agosto de 1580.

AS GRANDES VIAGENS DO SÉCULO XV

Até ao século XV, os europeus tinham um conhecimento limitado do mundo: apenas conheciam parte da África e da Ásia; a América e a Oceania eram totalmente desconhecidas.
Por outro lado, o Oceano Atlântico era conhecido como um "mar tenebroso" povoado de monstros marinhos que engoliam os barcos. Também os seres que povoavam as terras distantes eram imaginados como seres disformes, muito diferentes dos europeus. Todas estas lendas criavam muito medo nos navegadores...
Foi, por isso, uma grande e corajosa aventura os descobrimentos marítimos que os portugueses iniciaram no século XV.

A REVOLUÇÃO DE 1383-85

1383-85 - Um Tempo de Revolução
A crise económica
Na segunda metade do século XIV, Portugal viveu tempos difíceis: más condições climatéricas, guerras com Castela, fomes e doenças, especialmente a Peste Negra.
A Peste Negra foi uma grande epidemia que alastrou por toda a Europa; em Portugal matou cerca de um terço da população (500 000 pessoas).
médico
Para melhorar a situação da agricultura e evitar o abandono dos campos, D. Fernando publicou a Lei das Sesmarias: obrigava todos os donos de terras a fazê-las cultivar, sob pena de ficarem sem elas, e obrigava mendigos e vadios a trabalharem, sobretudo na agricultura.
Para proteger o comércio externo, fundou a Companhia das Naus: uma espécie de seguro destinado aos que perdessem os barcos.
Contudo, a situação do país agrava-se com a morte de D. Fernando, em 1383.

UM NOVO REINO CHAMADO PORTUGAL

Entre os séculos XI e XIII, as lutas entre cristãos e muçulmanos foram muito renhidas. Vários reinos e condados cristãos se formaram então, como podes observar no mapa.
Os reis cristãos da Península Ibérica pediam ajuda a outros reis da Europa que enviavam cavaleiros cristãos - os Cruzados. Entre estes cruzados destacaram-se D. Henrique e D. Raimundo, dois cavaleiros franceses.
Como recompensa pela ajuda prestada na luta contra os muçulmanos, o rei de Leão (D. Afonso VI) deu a D. Raimundo o Condado da Galiza e uma das suas filhas, D. Urraca, (filha legítima) para casar; a D. Henrique, o Condado Portucalense e outra sua filha (filha ilegítima), D. Teresa, em casamento, no ano de 1096.
Conde D. Henrique e D. Teresa
O Condado Portucalense situava-se entre os rios Minho e Mondego e tinha a sua sede no Castelo de Guimarães. A D. Henrique competia a defesa e o governo do Condado. Não era, no entanto, independente pois devia obediência, lealdade e ajuda militar ao rei de Leão, que era o governante máximo. D. Henrique, guerreiro valente e bom governante, sempre desejou tornar o Condado Portucalense independente do reino de Leão.
Mas morreu muito novo, ficando a governar a viúva, D. Teresa, uma vez que o seu filho, D. Afonso Henriques, era ainda muito novo. D. Teresa, que também pretendia a independência do Condado, pediu para tal ajuda à nobreza da Galiza. Os nobres portugueses, não concordando, convenceram D. Afonso Henriques a revoltar-se contra a mãe.
Formaram-se então dois "partidos": um, a favor de D. Teresa; outro, a favor de D. Afonso Henriques. Os dois "partidos" confrontaram-se na Batalha de S. Mamede (em 24 de Junho de 1128), próximo de Guimarães, tendo D. Afonso Henriques saído vencedor e passando a assumir o governo do Condado.

PENÍNSULA IBÉRICA

Península Ibérica: situação geográfica
A Península Ibérica situa-se no Hemisfério Norte, no extremo sudoeste do continente europeu.
É uma península porque está rodeada de água por todos os lados menos por um - o istmo (os Pirenéus).
Tem uma longa linha de costa mas pouco recortada.
Os seus limites naturais são:

o Oceano Atlântico - a norte, oeste e sul;
o Mar Mediterrâneo - a sul e a este;
os Pirenéus - a nordeste, que constituem o seu istmo.
A sul aproxima-se de África através do estreito de Gibraltar.
Nela se situa o ponto mais ocidental de toda a Europa: o Cabo da Roca, em Portugal.
Devido a esta localização geográfica muito favorável e ao seu clima temperado, a Península Ibérica foi desde sempre um local de passagem e fixação de vários povos.

24 de Agosto de 2010

A TERRA

A Terra e o sistema solar
A Terra é o 5º maior planeta do sistema solar e o terceiro a partir do Sol.
Tem forma esférica, ligeiramente achatada nos pólos. Vista do espaço tem uma cor azulada devido à enorme massa de água que a cobre. Tem um satélite natural, a Lua.
Também a Terra tem a sua História.
Ter-se-á formado há cerca de 4,65 biliões de anos!

Inicialmente existiria apenas um único oceano - Pantalassa - que rodearia todas as terras. Estas constituíam um único continente - a Pangeia. Mas poderosos movimentos internos, que ainda hoje ocorrem, foram provocando fracturas e mudanças de posição da superfície terrestre.
Assim, foram-se formando os continentes e oceanos tal como os conhecemos hoje (que não estão fixos, continuam a mover-se...).
Os continentes são seis e ocupam cerca de 1/4 da sua superfície: Europa, Ásia, África, América, Oceania e Antárctida.
Os Oceanos são cinco e ocupam cerca de 3/4 da sua superfície: Atlântico, Pacífico, Índico, Glaciar Árctico e Glaciar Antárctico.
CONTINENTES

A ÁSIA
A Ásia é o maior continente, com 44.936.000 km², representando cerca de um terço da área total dos continentes.
É também o mais populoso com 3,4 biliões de habitantes (dados de 1990), cerca de 3/5 da população mundial.
É na Ásia que se situa a maior elevação do mundo, o Monte Everest, nos Himalaias, com 8850 metros.
Alguns geógrafos preferem considerar a Ásia e a Europa um só continente: a Eurasia.
A AMÉRICA
Se considerado um só continente, é o 2º maior. É formado pela América do Norte, Central e do Sul. Estende-se desde o Oceano Glacial Árctico ao Oceano Glacial Antárctico.
América do Norte e Central: 23.500.000 km², com cerca de 360 milhões de habitantes (dados de 1991).
América do Sul: 17.819.100 km², com cerca de 304 milhões de habitantes (dados de 1990), representando cerca de 6% da população mundial.
É na América do Sul que se situa a maior floresta do mundo, a Amazónia, e o maior rio em área, o Amazonas. Cerca de metade do solo da América do Norte é arável. É a região mais produtiva do mundo. A região ocidental da América do Sul é dominada pela cordilheira dos Andes.
A ÁFRICA
É o 3º maior continente (22% da área total dos  continentes), com 30 330 000 Km². Tem uma costa pouco recortada e situa-se quase todo na zona Tórrida, sendo por isso o mais quente. É em África que se situa o maior deserto do mundo, o Saara, e o mais comprido rio, o Nilo. Apenas 6% do deu solo é arável mas possui as maiores riquezas minerais que há no mundo.
Em 1990 tinha 627 milhões de habitantes, o que correspondia a 12% da população mundial.
O seu ponto mais elevado é o Kilimanjaro com 5.895 metros de altitude.
A EUROPA
Com 10.530.000 km², é quatro vezes menor do que a Ásia, continente a que está unida.
É o mais densamente povoado.
Apresenta uma costa muito recortada, com vários mares e penínsulas.
A OCEANIA
A Oceania é um continente que compreende a Austrália, a Nova Zelândia e inúmeras ilhas do Pacífico e Índico (mais de 10000).
Tem uma área de cerca de 9.000.000 km² e é o mais pequeno continente.
Está situada entre o Oceano Índico e o Oceano Pacífico. A Oceania é o mais pequeno continente e é pouco povoado.
A ANTÁRCTIDA
A Antárctida está permanentemente coberta de gelo (em mais de 95% da sua superfície), com uma espessura média de 2000 metros. Por essa razão não tem população nativa, sendo apenas habitada pelos técnicos das estações de pesquisa científica.
Neste continente os ventos atingem a velocidade de 300 km por hora. Nele vivem pinguins que se alimentam do que apanham no mar. Possuem penas espessas e uma camada de óleo sob a pele que os mantém quentes.
Situa-se quase todo a sul do Círculo Polar Antárctico, rodeando o Pólo Sul.
No Verão tem uma superfície de 14.200.000 Km², extensão que duplica no Inverno.

19 de Agosto de 2010

FICHA DE AVALIAÇÃO

Tema 1 — A Península Ibérica — lugar de passagem e de fixação
Subtema 3 — Os Mulçumanos na Penínula Ibérica — convivência e confronto
1. Observa o mapa.
1.1. Pinta, a verde, as regiões dominadas pelos Cristãos e a amarelo os domínios muçulmanos.
1.2. Localiza no tempo a invasão da Península Ibérica pelos Romanos.
1.3. Explica os motivos que levaram os Muçulmanos à conquista da Península Ibérica.
1.4. Identifica os reinos cristãos que se formaram na Península Ibérica com o avanço da Reconquista.
1.5. Explica a importância da Batalha de Covadonga.
1.6. Descreve o relacionamento entre Cristãos e Muçulmanos durante o período da Reconquista.
2. Observa a figura.
2.1. Identifica a figura.
2.2. Explica para que serve.
2.3. Refere quatro culturas agrícolas trazidas para a Península Ibérica pelos Muçulmanos.
2.4. Indica três vestígios deixados pelos Muçulmanos na Península Ibérica.
2.5. Identifica as duas regiões de Portugal onde se encontra maior número de vestígios muçulmanos.
2.6. Cita três localidades portuguesas onde existem vestígios muçulmanos.
2.7. Descreve as principais influências deixadas pelos Muçulmanos na arte.
2.8. Cita três palavras portuguesas de origem árabe.
3. Como se chamava a zona que os Árabes não conseguiram conquistar na Península Ibérica?
4. O que é a Reconquista Cristã?
5. Que reinos se formaram na Península Ibérica durante a Reconquista Cristã?
6. Escreve o nome dos cavaleiros que vieram auxiliar Afonso VI na luta contra os Muçulmanos.
7. Indica três meios de influência muçulmana na Península Ibérica.
8. Que acontecimento se deu em 24 de Junho de 1128 que alegrou os partidários de Afonso Henriques?

FICHA DE AVALIAÇÃO

Tema 1 — A Península Ibérica — lugar de passagem e de fixação
Subtema 2 — Os Romanos na Penínula Ibérica — resistência e romanização
1. Observa o mapa.
1.1. Pinta no mapa, a amarelo, o Império Romano na sua extensão máxima.
1.2. Localiza no tempo a conquista da Península Ibérica pelos Romanos.
1.3. Refere os principais motivos que levaram os Romanos a conquistarem a Península Ibérica.
2. Lê o documento.
Vestiam de negro, de pano grosseiro, feito de lã ou pêlo de cabra. E, como cada homem tinha de ser um guerreiro sempre em guarda, dormiam quase sempre vestidos sobre montes de feno, ou na terra batida, sem resguardo algum. Eram, por isso, fortes como lobos! (...) Tinham um espírito rebelde e ânimo guerreiro.
Estrabão, Geografia, Livro III
2.1. Identifica o povo que mais resistiu à ocupação romana da Península Ibérica.
2.2. Descreve um guerreiro lusitano.
2.3. Identifica o principal chefe dos Lusitanos.
2.4. Cita três produtos que os Romanos exploravam na Península Ibérica.
2.5. Define romanização.
3. Observa a figura.
3.1. Explica a importância da construção romana representada na figura.
3.2. Refere as principais mudanças verificadas na Península Ibérica com a romanização.
3.3. Explica como eram as cidades construídas pelos Romanos na Península Ibérica.
3.4. Mostra a importância das estradas no Império Romano.
3.5. Indica cinco inovações trazidas para a Península Ibérica pelos Romanos.
3.6. Identifica três tipos de edifícios que os Romanos construíam nas suas cidades.
4. Completa os espaços em branco.
100 anos = _______________
Um milénio = _______________ anos
5. Refere dois aspectos da romanização da Península.
6. Onde e como viviam os Lusitanos?
7. Como se chamava o principal chefe dos Lusitanos?

FICHA DE AVALIAÇÃO

Tema 1 — A Península Ibérica — lugar de passagem e de fixação
Subtema 1 — Ambiente natural e primeiros povos
1. Observa o mapa.
1.1. Assinala no mapa os seis continentes e os cinco oceanos, escrevendo os seus nomes nos locais correctos.
1.2. Pinta no mapa, a verde, a Península Ibérica.
1.3. Refere os limites naturais da Península Ibérica.
1.4. Indica os nomes de quatro rios da Península Ibérica.
1.5. Define península.
2. Assinala com V as afirmações verdadeiras e com F as falsas.
__ A Europa é o continente mais populoso do Mundo.
__ O oceano Atlântico separa a Europa e a África da América.
__ A Oceânia é um continente formado por muitas ilhas.
__ A Ásia é maior do que a Europa.
__ O oceano Atlântico é o maior dos oceanos.
__ A área ocupada pelos oceanos é menor do que a ocupada pelos continentes.
3. Refere as principais cordilheiras da Península Ibérica.
4. Indica o nome por que são conhecidos os rios que desaguam em outros rios.
5. Completa o quadro, indicando as características de cada uma das zonas climáticas da Península Ibérica.
Zona de clima atlântico --Zona de clima continental --Zona de clima mediterrânico
6. Completa a frase.
O pinheiro manso é uma árvore de folha _______________ que existe sobretudo no Sul da Península Ibérica, onde o clima é mais _______________ e _______________.
7. Explica os motivos que levaram à destruição da vegetação natural na Península Ibérica.
8. Lê a frase.
Na Península Ibérica desde sempre existiram importantes e variados recursos naturais.
8.1. Indica três recursos naturais existentes na Península Ibérica.
8.2. Explica de que forma estes recursos naturais contribuíram para a fixação, na Península Ibérica, de povos vindos de outras regiões.
9. Observa a figura.
9.1. Indica três actividades praticadas pelas primeiras comunidades recolectoras.
9.2. Cita quatro produtos de que se alimentavam os povos recolectores.
9.3. Indica três materiais utilizados pelos povos recolectores para o fabrico de utensílios.
9.4. Explica de que forma o fogo melhorou a vida dos povos recolectores.
9.5. Diz o que entendes por recolecção.
9.6. Explica por que razão as comunidades recolectoras eram nómadas.
10. Observa a figura.
10.1. Explica a razão que levou os caçadores das primeiras comunidades recolectoras a produzirem a arte rupestre.
11. Observa a figura.
11.1. Refere três diferenças entre as comunidades recolectoras e as agro-pastoris.
11.2. Enumera quatro actividades praticadas pelas comunidades agro-pastoris.
11.3. Define sedentário.
11.4. Explica o que é um castro.
11.5. Cita quatro povos que habitaram os castros na Península Ibérica.
11.6. Refere os dois tipos de culto praticados pelas comunidades agro-pastoris.
11.7. Identifica três tipos de monumentos destinados ao culto dos mortos.
12. Diz o nome do oceano que a ocidente banha a Península Ibérica.
13. Que mar separa o continente europeu do continente africano?
14. Quais são os limites naturais da Península Ibérica?
15. Indica a localização da Península Ibérica na Europa.
16. Escreve o nome do continente que se localiza a ocidente da Península Ibérica.
17. Quais são as cores que se usam para se mostrar as diferenças do relevo no mapa?
18. Indica dois rios da vertente atlântica.
19. Escreve o nome de um planalto peninsular.
20. O que é que determina a direcção que o rio toma?
21. Indica o nome da região climática da Península Ibérica que representa invernos muito frios e verões muitos quentes.
22. Em que zona da península se localiza a Ibéria húmida?
23. Que formas de subsistência encontraram as comunidades recolectoras?
24. Que actividades praticavam as comunidades agro-pastoris?
25. Caracteriza a vida dos castros.
26. Enumera três produtos que os Fenícios vinham buscar à Península Ibérica.
27. Que produtos interessavam aos Fenícios na Península Ibérica?

GLOSSÁRIO

Paleolítico: um termo criado no século XIX para definir o período mais antigo da História do Homem, anterior ao Neolítico. A duração deste período é de cerca de 2,5 milhões de anos, desde que surgiram os primeiros seres humanos que fabricaram artefactos líticos até ao fim da última época glaciar, que terminou há cerca de 10 000 anos.
O Paleolítico pode ser dividido em três fases distintas, que se definem em função dos tipos de utensílios de pedra sucessivamente utilizados: Inferior, Médio e Superior.

Mesolítico: é considerado um período intermédio, em que o homem conseguiu dar grandes passos rumo ao desenvolvimento e à sobrevivência, como foi o caso do domínio do fogo. O ser humano pôde, assim, afugentar os animais, cozinhar a carne e outros alimentos, iluminar as suas habitações, e garantir calor nos momentos de frio intenso. Outros dois grandes avanços foram o desenvolvimento da agricultura e a domesticação dos animais. Desta forma, foi possível a sedentarização, pois a habitação fixa tornou-se uma necessidade.
Neste período ocorreu também a divisão do trabalho por género.
Neolítico: período em que o homem atingiu um importante grau de desenvolvimento e estabilidade. Tornou-se sedentário, começou a criação de animais e desenvolveu a agricultura. O desenvolvimento da metalurgia foi um momento importante, pois permitiu a criação de melhores instrumentos de caça e uma produção com mais qualidade e rapidez. A produção de excedentes agrícolas e sua armazenagem, garantiam o alimento necessário para os momentos de seca ou inundações. As comunidades foram crescendo e surgiu a necessidade de trocas com outras comunidades.
Calcolítico: refere-se ao período pré-histórico em que se fez uso simultâneo do cobre e da pedra.
Idade do Bronze: é um período da civilização onde ocorreu o desenvolvimento desta liga metálica, resultante da mistura de cobre e estanho. Iniciou no Oriente Médio por volta de 3300 a.C.
Idade do Ferro: prende-se com o período em que ocorreu a metalurgia do ferro. Este metal é superior ao bronze em relação à dureza e abundância de jazidas
A Idade do Ferro é caracterizada pela utilização do ferro como metal, utilização importada do Oriente através da emigração de tribos indo-europeias (celtas), que a partir de 1.200 a.C. começaram a chegar a Europa Ocidental. O seu período vai até a época romana e na Escandinávia até a época dos vikings
Colonização Romana: No séc. II a.C. os romanos penetraram na Península Ibérica, mas a conquista total do território só ocorreu no tempo do Imperador Augusto, muito devido à resistência de Viriato, que conseguiu conter a expansão romana durante anos.
No fim do século I a.C. o imperador Augusto criou a província da Lusitânia, que correspondia a grande parte do actual território português.
Invasões árabes: Ocorreram na Península Ibérica por volta do ano de 711. Os muçulmanos dominaram partes da Península por mais de cinco séculos. Durante este período, as Astúrias foi a única região que resistiu à invasão árabe e onde se desenvolveu um movimento de reconquista, que culminaria com a tomada de Granada pelos Reis Católicos, em 1492.
Os muçulmanos que não foram mortos ou expulsos durante a reconquista, aderiram aos costumes locais (incluindo o Cristianismo). Depreende-se, por isso, que exista uma grande mescla na população portuguesa, o que é visível em alguns aspectos linguísticos e patrimoniais, também na Península de Setúbal.
Descobrimentos: corresponde ao período de expansão ultramarina portuguesa que se iniciou no século XV e se prolongou até ao século XVI. Neste período, o império português estendia-se do Brasil às Índias e Portugal assumia-se como uma grande potência socio-económica mundial.
Proto-indústria: modelo produtivo que se utilizava na Inglaterra medieval, em que os comerciantes davam às famílias camponesas a produção dos materiais. Estas não produziam de acordo com as necessidades do mercado, mas de acordo com as suas próprias necessidades de sobrevivência. Pelo que quando a procura aumentou em finais do século XVIII, os preços subiram e a produção diminuiu.
Monarquia: Portugal constituiu-se como reino independente com D. Afonso I, em cujo reinado se conquistaram Santarém, Lisboa e Évora aos Muçulmanos. As fronteiras de Portugal Continental datam dessa época do século XII, sendo as mais antigas da Europa.
Terminada a Reconquista do território português em 1249, a independência do novo reino viria a ser posta em causa várias vezes por Castela.
1640 (1 de Dezembro) assinala o ano em que se recupera a independência nacional face à corte espanhola que durante 60 anos ocupou Portugal.
Invasões francesas: existiram várias incursões em Portugal. A justificação da invasão de Portugal era a de obrigar o país a fechar os seus portos ao Ingleses, aderindo assim ao bloqueio continental imposto por Napoleão à Inglaterra. Napoleão também sonhava ter um Império superior ao antigo Império Romano, e a sua intenção era conquistar Portugal, com o apoio dos Espanhóis.
Revolução Industrial começou na Grã-Bretanha no século XVIII e alastrou-se ao Mundo nos séculos seguintes. Caracteriza-se pelo abandono progressivo da manufactura em favor da mecanização dos processos de fabrico.
Transformou profundamente a na sociedade, que passou a estar organizada segundo outros parâmetros, racionais, técnico-científicos e económicos diferentes dos que até ai vigoravam. Esta revolução exerceu um impacto muito violento sobre o ambiente, a cidade e o homem, e criou um novo «monumento» adequado às necessidades: a fábrica (ex.: Mundet, no Seixal).
República é instaurada a 5 de Outubro de 1910, sendo que o jovem rei D. Manuel II parte para o exílio em Inglaterra.
Estado Novo: é o período que corresponde à ditadura promovida por Salazar que durou de 1926 até 1974. Depois da agitação política e social, e da crise financeira dos anos 1920, o exército tomou o poder em 1926, nomeando para ministro das finanças, António de Oliveira Salazar, que poucos anos depois ascenderia a Presidente do Conselho (1932).
A partir de 1968, por motivos de saúde, foi substituído por Marcelo Caetano. Este período (1968-74) ficaria conhecido como «primavera marcelista» e, teoricamente, terá sido menos repressivo.
25 Abril de 1974: é a data do levantamento militar dos jovens capitães que haviam participado na Guerra Colonial, acompanhado por um movimento popular, que restituiu a liberdade aos portugueses. Uma data também conhecida como o dia da Revolução dos Cravos e feriado nacional.
Pós 25 de Abril: O ano de 1976 marca uma nova etapa no País e no Poder Local. A primeira Constituição do regime democrático definiu as bases da organização das novas autarquias locais, cuja eleição decorreu no ano seguinte.
No primeiro mandato, os autarcas, com o apoio e dinâmica das comissões de moradores, privilegiaram as obras a nível das infra-estruturas, saneamento básico educação.

GLOSSÁRIO

A
Abade
superior de uma abadia ou de uma ordem religiosa.
Abóbada
cobertura de uma igreja ou outro edifício, vista do interior desse edifício.
Abraão
a primeira figura bíblica de renome da fé judaica. Igualmente visto como um homem santo pelos cristãos e pelos Muçulmanos.
Absolutismo
sistema político vigente na quase totalidade dos países da Europa do século XVI aos fins do século XVIII em que o rei detinha uma autoridade total e absoluta sobre os seus súbditos, concentrando na sua pessoa todos os poderes do estado.
Abstraccionismo ou arte abstracta
movimento estético nos inícios do século XX e que dominou a pintura depois da 2ª guerra Mundial, sendo caracterizado pelo abandono total da representação figurativa e pelo uso de linhas e cores conjugadas num ritmo e expressão próprias de carácter subjectivo.
Academias
sociedades literárias, artísticas e científicas, privadas ou de criação régia, que nos séculos XVII e XVIII, tiveram grande importância no desenvolvimento intelectual e científico.
Acrópole
primitivo centro político e religioso das cidades gregas, localizado na sua parte mais elevada, e mais tarde, tornou-se um local de culto.
Acumulação de excedentes
fenómeno económico em que parte da produção não é necessária para o consumo das populações, entrando, por isso, no mercado de compra e venda.
Administração
conjunto de leis e de órgãos que garantem a organização e o funcionamento das instituições.
Adobe
tijolo cru e seco ao sol.
Afolheamento Trienal
alternância das culturas numa propriedade rural, em que se divide a terra em três "folhas". Numa semeia-se a cultura de Inverno, noutra a cultura de Primavera, ficando a terceira de pousio. Nos anos seguintes procede-se à rotação das culturas.
Aglomeração urbana
povoação que, pelo seu crescimento, deu origem a novas actividades, para além da agricultura. comércio, as actividades artesanais e uma mais acentuada diferenciação social acompanham o desenvolvimento ~ aglomerações urbanas, que estão na origem das cidades.
Agro-pastoril
ligado simultaneamente à agricultura e à pastorícia (criação de gado).
Alcorão
livro sagrado dos Muçulmanos.
Aldeamento
primeira forma de povoamento quando, no Neolítico, surgiu a agricultura e a sedentarização. A sua população, relativamente pouco numerosa, era fundamentalmente rural.
Aliança
tratado de união.
Almofarizes
vasos de pedra em que se trituram alimentos.
Almorávidas
dinastia berbere ou muçulmana do norte de África.
Alódios
terras livres da acção dos senhores.
Alta Idade Média
período medieval compreendido entre o século V e o século X.
Aluvião
resíduos transportados pelas águas correntes para determinado lugar e que constituem fertilizantes para as culturas.
Anfiteatro
circo para espectáculos públicos (na Grécia e em Roma).
Anticlericalismo
oposição constante ao clero.
Antigo Regime
designação atribuída pelos historiadores ao regime político, económico e social que caracterizou os países da Europa durante os séculos XVI, XVII e XVIII, ou seja, desde o período dos Descobrimentos até às revoluções liberais.
Antiséptico
desinfectante que pode ser utilizado sobre a pele e em casos especiais sobre as mucosas.
Antropomorfismo
representação plástico-literária dos deuses em forma humana.
Anulação
é como um divórcio, mas para a Igreja Católica significa que duas pessoas nunca foram casadas. Assim, cada parceiro é livre e pode voltar a casar-se.
Apartheid
política de segregação social que se projecta por vezes nos direitos políticos.
Apóstolo
cada um dos doze homens escolhidos por Jesus para pregar a sua mensagem ao mundo.
Apóstolo
cada um dos 12 discípulos mais próximos de Jesus Cristo, que após a sua morte, se espalharam pelo mundo romano a difundir a religião cristã.
Aqueus
povo indo-europeu, que invadiu a Grécia no ano 2000 ª C. , fixando-se sobretudo na península do Peloponeso.
Arcobobante
construção exterior de reforço que termina em forma de arco.
Arcobotantes
arcos em pedra que se ligam aos contrafortes exteriores.
Arcontado
instituição da carácter aristocrático formado por arcontes, ou seja, magistrados que controlavam a vida política e militar das cidades-estados gregas.
Arianismo
heresia surgida no século IV em Alexandria que negava a divindade de Cristo.
Ariano
seguidor do arianismo, isto é, da doutrina do herege Ario (da Alexandria, 280-336), segundo a qual Cristo era uma criatura de natureza intermediária entre a divindade e a humanidade.
Aristocracia
designação dada à ordem da nobreza na Idade Média.
Armisticio
trégua; suspensão da guerra até à assinatura de um tratado de paz.
Armistício
trégua; suspensão da guerra por comum acordo entre os comandantes dos exércitos beligerantes até à assinatura de um tratado de paz.
Arpentos
antiga medida agrária correspondente a cerca de 110 m2.
Arqueologia
ciência que estuda os vestígios materiais das actividades humanas.
Arroteias
desbravamento de terras maninhas e florestas para o seu aproveitamento agrícola e povoamento.
Arte clássica
arte do período áureo da civilização ateniense (séculos V e IV a.C.) cujas características fundamentais são o idealismo, a procura do belo, da perfeição, do equilíbrio e da harmonia, tanto nas formas como nas proporções. Geralmente este conceito abrange a arte greco-romana (Antiguidade clássica).
Arte Rupestre
expressão artística realizada pelo Homem do Paleolítico Superior nas paredes e tectos das suas cavernas.
Assimilação
processo de fusão de culturas (tradições e estilos de vida) entre dois ou mais povos, num tipo cultural comum.
Atrelagem
acto de prender o animal à viatura para deslocação desta (tracção).
Autodeterminação
um povo escolhe livremente a sua maneira de se organizar e governar, optando ou não pela sua autonomia e independência.
Autogestão
as empresas são dirigidas pelos trabalhadores, que escolhem os administradores e partilham os lucros.
Automação
conjunto de processos que visam a produção automática, reduzindo ao mínimo a intervenção da actividade humana, e recorrendo no máximo aos meios de acção mecânica, eléctrica ou electrónica.
Autonomia
direito de se governar por leis próprias.
Autóctones
indígenas naturais de uma região.
Azagaias
Lanças curtas de arremesso.
Ágora
praça pública das cidades gregas, localizada na sua parte mais baixa. Nela se realizava o mercado, os contactos entre os seus habitantes, e mais tarde, onde se situavam os edifícios relacionados com a vida política.
B
Baixo-relevo
escultura feita num plano que lhe serve de fundo, em que as figuras sobressaem pouco.
Basílica Romana
entre os Romanos era um edifício público onde funcionavam os tribunais e se reuniam os mercadores e banqueiros para tratar de negócios; igreja, em geral da época do cristianismo primitivo, construída segundo o plano da basílica romana.
Bárbaros
eram todos aqueles que não tinham a civilização grega e romana.
Beneplácito Régio
disposição pela qual quaisquer documentos, mesmo os oriundos da Santa sé, tinham de ser vistos pelo rei, para poderem Ter aplicação no reino, após o seu consentimento.
Berberes
povos do Norte de África.
Bizâncio
capital do Império Romano do Oriente.
Bolchevique
significa maioria que, depois da Revolução de Outubro (1917) na Rússia, dominou o partido social-democrata (socialista) que dirigia o país no sentido mais revolucionário (da ditadura do proletariado) propugnado por Lenine. Daí chamar-se bolchevistas aos socialistas-comunistas-lenisnistas, seguidamente a todos os comunistas, e bolchevismo passar a ser sinónimo de comunismo
Burguesia
grupo social que se dedicava às actividades comerciais e artesanais, ou ainda certas categorias de pessoas como médicos, legistas ou outras profissões liberais.
Buris
instrumentos pontiagudos de pedra, utilizados para furar ou escavar.
Burocracia
conjunto dos empregados da administração do Estado, enquanto constituindo um grupo (uma espécie de casta) que se identifica com o Estado, como se fosse o seu senhor e não o seu servidor.
C
Cadaste de popa
peça colocada na parte posterior do barco, onde assentam as dobradiças do leme, permitindo uma melhor estabilidade do barco.
Calcolítico
fase da evolução da humanidade, em que apareceram os primeiros objectos de metal.
Califas
no seu significado originário significa sucessor de Maomé; posteriormente passou a designar os soberanos (espirituais e temporais) entre os Muçulmanos.
Cambista
pessoa que é dona de estabelecimento de câmbios, isto é, que faz troca de valores (dinheiro, letras, cheques e, às vezes, metais preciosos).
Cambistas
comerciantes especializados no negócio de troca de moeda nacional por moeda estrangeira.
Canalização de Conflitos
antagonismo declarado entre pessoas ou grupos, relativamente a interesses ou a ideias que os opõem. Dada a impossibilidade de eliminação total dos conflitos, os grupos antagónicos libertam as tensões acumuladas sob a forma de festas, orgias, combates, concertos de música, etc.
Capacidade craniana
volume total da caixa craniana.
Capitalismo rural
sistema económico no qual os meios de produção agrícolas (terra, ferramentas, máquinas, adubos, sementes, gado) são propriedade privada de grandes exploradores, passando-se da agricultura de subsistência para a agricultura de mercado e investem, frequentemente, na indústria os capitais saídos do solo.
Capitanias
territórios ultramarinos concedidos pelo rei a particulares (os "donatários ou "capitães-donatários"), com a finalidade de estes promoverem o povoamento e a exploração económica dessas regiões.
Capitão Donatário
agente a administração colonial portuguesa encarregado de fomentar o povoamento e a exploração económica de um território ultramarino.
Capitel
parte superior da coluna.
Capitulação
rendição; aceitação da derrota
Capitulares
leis, ordens emanadas do poder central, ou seja, do imperador.
Capítulo
assembleia de monges.
Capítulo da catedral
lugar onde se reuniam as assembleias dos mais importantes membros do clero.
Carta das Nações Unidas
foi assinada na Conferência de S. Francisco , em 1945, pelos cinquenta países que lutaram contra o Eixo na II Guerra Mundial.
Carta de feira
documento oficia, assinado pelo rei, que autorizava a criação de uma feira.
Carta de Foral
documento ou diploma pelo qual se concedia a uma colectividade urbana ou rural a qualidade de concelho, ou seja, a qualidade municipal, com os direitos e os deveres.
Carta Constitucional
constituição elaborada e outorgada pelo rei e não pela Assembleia Constituinte.
Cartel
acordo entre empresas quanto à fixação de preços ou partilha de mercados. É uma forma de redução da concorrência, mas, em alguns países, é considerado uma prática ilegal.
Cartel
exemplo de associação de empresas que controlam, a médio prazo, uma das fases da produção (de um modo geral, a última). Embora mantendo uma autonomia técnica e jurídica, as empresas possuem uma gerência comum.
Cartografia
ciência ou arte de desenhar cartas ou mapas geográficos.
Catacumba
galerias subterrâneas em cujas paredes se faziam túmulos e onde os primeiros cristãos se reuniam secretamente.
Católica Romana
é um dos mais antigos ramos - da Igreja Cristã e é chefiada pelo Papa.
Cavaleiro
vilão - tinha possibilidades económicas para possuir e combater a cavalo, estando isento de alguns impostos e serviços.
Cavaleiros
nobres dedicados a funções militares.
Cânhamo
planta cujas fibras se utilizam no fabrico do vestuário.
Cee
comunidade Económica Europeia - organismo internacional fundado em 1957 para integração económica dos países membros, por meio de uma união aduaneira, de livre circulação de pessoas e bens, de uma política comum agrícola e económica.
Censura
exame crítico de obras literárias ou artísticas, por vezes, alterando-as, eliminando-lhes partes ou proibindo a sua publicação ou divulgação.
Centralismo
sistema político, administrativo ou económico em que se preconiza ou pratica a centralização.
Centralismo Democrático
doutrina político-económica, posta em prática em países de socialismo científico ou marxista, ou em países de socialismo dito comunista.
Centralizada
concentrada; organizada de acordo com um centro comum.
Centúria
unidade política e militar constituída por 100 homens.
Cerebralização
lento e gradual aumento da capacidade craniana.
Chefe Carismático
estadista que assume de forma ditatorial a governação, através de uma forte propaganda que o glorifica e lhe presta um verdadeiro culto.
Cidadania
qualidade de cidadão, isto é, o indivíduo que num Estado possui todos os direitos de participar na vida pública, na administração ou no governo.
Cidadão
aquele que usufrui dos plenos direitos civis e políticos.
Cidade
povoação que, pelo seu crescimento, pratica várias actividade (agricultura, comércio, actividades artesanais), tem uma diferenciação social. O nascimento da cidade demarca a separação entre a humanidade primitiva e a revolução urbana.
Cidadela
recinto fortificado.
Cidades estipendiárias
cidades totalmente dependentes de Roma a quem pagam imposto.
Cidade-estado
os Gregos chamavam-lhe pólis. Era uma cidade na qual se incluía campos e aldeias das redondezas, cujos habitantes tinham o seu governo próprio, independente do das cidades vizinhas.
Ciências Humanas
conjunto de ciências que se ocupam do estudo do Ser ou do Homem e do seu comportamento, individual ou colectivo
Circuito comercial
rota comercial.
Civilização
conjunto de expressões e produtos espirituais e materiais das sociedades humanas, transmissíveis por meios diferentes da hereditariedade biológica, como sejam a linguagem, os costumes, a arte, a literatura, a religião, o direito, a ciência, as técnicas, as instituições político-sociais.
Civilização helénica
civilização grega.
Civilização Bizantina
civilização que tinha por capital a cidade de Bizâncio (actual Istambul ex Constantinopla).
Classes Médias
grupo social que, nas sociedades industriais de modelo ocidental, se situa entre a alta burguesia e o proletariado, geralmente membros de profissões liberais, empresários de pequenas e médias empresas, etc.
Clã
grupo social que vive numa mesma região e cujos membros se sentem unidos por laços de parentesco: descendem todos da mesma linhagem e têm um antepassado comum. Esta linhagem comum é representada pelo chefe do clã cuja autoridade tem carácter familiar, geralmente um ancião aceite por consenso.
Clero Regular
clero que está submetido a uma regra religiosa e vive em mosteiros.
Clero Secular
clero que vive no mundo laico.
Coexistência Pacífica
princípio relativo às relações internacionais entre os E.U.A. e a U.R.S.S., estabelecendo a aceitação da existência igual em direitos e mútuo respeito.
Colectivismo
sistema político, social e económico em que a colectividade predomina fortemente sobre os indivíduos que a compõem e a propriedade de todos os bens, meios de produção é colectiva.
Colectivização
consiste em transformar os meios de produção individuais em colectivos.
Colectivizar
tornar propriedade de muitos ou da sociedade.
Colonização
criação de estruturas administrativas destinadas a promover o povoamento e/ou a exploração económica de terras além-mar.
Colonos
camponeses que trabalhavam nas terras arrendadas dos senhores.
Colónia
cidade fundada por populações emigradas numa determinada região, tornando-se geralmente um importante centro económico.
Comédia
peça de teatro que tem por finalidade criticar e ridicularizar cenas da vida real e vícios dos homens, provocando o riso nos espectadores.
Comícios e Assembleia da Plebe
assembleias populares que elegem os magistrados e aprovam ou rejeitam as leis.
Companhia das Naus
espécie de companhia de seguros marítimos que, através de duas bolsas estabelecidas em Lisboa e no Porto, indemnizava os proprietários de barcos naufragados ou apreendidos.
Comuna Popular
é "uma unidade social na qual a população trabalhadora livremente congregada sob a direcção do Partido Comunista e do Governo, realiza todas as tarefas da produção agrícola e industrial e distribui o trabalho da região e recebe educação, cultura e formação política".
Comunismo
doutrina política que preconiza o desaparecimento de todas as distinções de classe, a propriedade e o Estado, regendo-se a repartição do trabalho e dos rendimentos pelo princípio: "de cada um conforme as suas aptidões; para cada um conforme as suas necessidades".
Concelho
colectividade urbana ou rural, habitada por homens livres, com autonomia e privilégios consignados na carta de foral.
Concorrência dos Mares
contestada pelos Holandeses, Ingleses e franceses, a teoria do "mare claususm" foi inicialmente posta em causa pelos corsários e piratas. No século XVII o poderio de Portugal e da Espanha decaiu e os países do Norte da Europa entraram na concorrência do comércio colonial e, consequentemente, da navegação nos mares.
Condado
território concedido hereditariamente a um conde, para ser governado por este.
Condensador eléctrico
dispositivo constituído por duas placas condutoras separadas pelo dieléctrico. O dieléctrico pode ser ar, papel impregnado em óleo ou cera, película plástica ou cerâmica.
Condestável
antigo chefe supremo do exército.
Constituição
conjunto de leis fundamentais que determinam o regime político, a organização dos poderes de soberania e determina os direitos e liberdades dos cidadãos.
Consumo em massa
elevado poder de absorção da produção, conseguido com a elevação do poder de compra das populações. O consumo em massa implica a produção em massa.
Contracção Demográfica
fenómeno de paragem no crescimento demográfico, ou mesmo de recuo, num país, numa região ou numa época, devido ao aumento da taxa de mortalidade e à quebra da taxa de natalidade.
Contraforte
muro com que se reforça uma parede ou uma muralha.
Contratação Colectiva
acordo estabelecido entre patrões e trabalhadores de uma determinado sector profissional, no qual se definem as condições do trabalho, sua duração, salários, direitos e obrigações mútuas, etc.
Contrato Social
teoria política que atribui tanto à existência da sociedade como à soberania e ao Direito uma origem contratual.
Coroa solar
parte exterior da atmosfera solar.
Corporação
associação profissional medieval, com regulamento próprio.
Corporativismo
sistema político em que as corporações profissionais, representando patrões e empregados, são a base da sociedade. A corporação é um meio de evitar a luta de classes e de afirmar o poder do estado, através da fiscalização eficiente das actividades profissionais.
Corregedores
magistrados que dirigiam as comarcas como representantes da autoridade real, com grandes poderes judiciais.
Cortes
assembleia política constituída inicialmente por representantes do clero e da nobreza e, depois, também por representantes do terceiro estado, para apresentar ao rei reclamações ou pretensões colectivas ou ainda com funções consultivas para o rei.
Código
conjunto ordenado de leis sobre um assunto ou que vigora durante um período de tempo.
Código de leis
colecção de leis elaborada de forma metódica e organizada.
Credo de Niceia
em 325 d. C., os bispos cristãos reuniram-se em Niceia, actualmente urna cidade da Turquia, e redigiram urna declaração de fé na Igreja, um símbolo. Crucificação: urna forma antiga de punição. A pessoa era pregada a um poste ou cruz de madeira e deixada morrer. Cruzada: urna guerra santa empreendida por cristãos medievais contra muçulmanos.
Crescente Fértil
região situada entre o rio Nilo (Egipto) e os rios Tigre e Eufrates (Mesopotâmia), passando por uma região intermédia - do Mediterrâneo Oriental ao sul do mar Cáspio - território onde se encontraram as mais antigas povoações neolíticas, vindo também a constituir o berço das primeiras civilizações. A designação Crescente deve-se à forma de arco lunar e o adjectivo Fértil ao facto de, a partir do 10.° milénio a.C., essa região registar uma razoável precipitação pluvial e ser fértil.
Crise cíclica
estado periódico de agudo mal-estar e de mau funcionamento da economia. Enquanto, nas economias pré-industriais, as crises eram, sobretudo, de penúria e de escassez, nas economias industriais, as crises são provocadas por fenómenos de superprodução. Estas últimas crises (crises capitalistas) correspondem ao momento em que a tendência de expansão do ciclo económico (de Juglar) se inverte, dando lugar a uma fase de depressão.
Crise Económica
fase da evolução económica de um país ou época, em que há uma baixa na produção agrícola e industrial, bem como uma diminuição da actividade comercial.
Cristianismo
religião monoteísta fundada por Jesus Cristo. Os princípios fundamentais desta religião são a salvação do Homem por meio da Fé, da Esperança e da Caridade e pelo cumprimento do "Dez Mandamentos".
Cruzadas
expedições militares organizadas pelos reinos cristãos da Europa para expulsar os Turcos Selijúcidas de Jerusalém e os Muçulmanos da Península Ibérica.
Cruzado
guerreiro que fazia parte das Cruzadas.
Culto
diversas formas de manifestação de respeito e homenagem a divindades que se julgam superiores ao Homem, através da adoração ou rituais variados, ou ainda também o culto aos mortos.
Culto da Personalidade
adulação, às vezes levada a uma quase adoração fanática, da pessoa de um governante.
Culturas Orientais
designação dada às múltiplas e complexas civilizações do Oriente (Ásia), em especial as civilizações hindu, chinesa e japonesa que tinham já uma história milenar e um notável desenvolvimento técnico quando da chegada dos navegadores portugueses.
Cultura de Elites
cultura própria de uma minoria prestigiada e dominante na sociedade constituída por indivíduos poderosos e intelectualmente mais aptos.
Cultura de Evasão
conjunto de manifestações culturais que têm por objectivo ocupar os tempos livres das pessoas, através da televisão, rádio, cinema, desporto, literatura. A cultura de evasão assumiu algum conteúdo pejorativo por ser entendida como meio de distrair as pessoas dos problemas reais da vida, levando-as simultaneamente, à ilusão de participarem na acção social.
Cultura Cortesã
cultura elaborada ou transmitida na Corte real e senhorial.
Cultura Massas
através dos mass media é imposta uma cultura às grandes massas.
Cultura Monástica
cultura produzida nos mosteiros.
Cultura Popular
cultura elaborada pelo povo e que encontra uma expressão comum e de agrado dessa camada social.
Cumulonimbos
nuvens de formação vertical que provocam trovoadas, com um topo característico em forma de bigorna.
Cursus honorum
carreira das honras.
Cúria Régia
corte; conjunto de pessoas que auxiliavam o rei nos assuntos administrativos e judiciais e, ainda, com quem o rei se aconselhava.
Czar
título dado aos imperadores da Rússia.
D
Dadaísmo
movimento artístico que surgiu em Zurique, em 1916, sendo um estilo entre o infantil e o burlesco.
Danças macabras
danças que se representava a morte, arrastando pessoas de todas as idades e condição social.
Deflação
conjuntura económica, em geral correspondente a uma época de crise ou depressão, que se caracteriza por uma baixa de preços, redução dos meios de pagamento, restrições do crédito, fraca produção e baixo consumo. Por vezes a deflação é estimulada pelos governos como forma de luta contra a inflação.
Democracia
regime político no qual o povo é soberano em matéria de legislação e usufrui de iguais possibilidades de participação no governo e de igual tratamento perante a lei.
Democracias Cristãs
corrente política do século XIX após a publicação da encíclica Rerum Novarum que actualizou o pensamento político da Igreja, aceitando o regime liberal em conciliação com os princípios do Catolicismo.
Democracia Parlamentar
sistema político em que o principal órgão de soberania é o Parlamento (formado através de eleições), sendo o Governo responsável politicamente perante aquele.
Democracia Popular
designa o regime socialista-marxista, associado à URSS, através do Pacto de Varsóvia e do COMECON.
Democratização
acção de democratizar, isto é, de tornar democráticas todas ou certas instituições políticas, sociais e económicas, estendendo os seus poderes ou os seus benefícios a todo o povo.
Demografia
ciência que estuda a população ou as populações, desde as taxas de natalidade e de mortalidade, nupcialidade, classes etárias, esperança de vida, etc.
Demos
divisões ou circunscrições que abarcavam toda a população da península da Ática.
Desamortização (leis de )
leis que impedem que os bens se tornem de "mão-morta", isto é, que os sujeitam a leis comuns para poderem ser comprados e vendidos.
Desbravamento
arroteamento; trabalhos de preparação de terreno para cultura.
Desbravar
preparar o terreno para cultura.
Descolonização
termo que exprime a independência ou autodeterminação reconhecida pelas potências colonizadoras às suas colónias.
Desvalorização da Moeda
o processo directo consiste na recolha de todas as moedas e as derreter e cunhar de novo, diminuindo-lhes o peso, mas mantendo-lhes o mesmo valor facial. O processo indirecto ocorre quando se verifica uma inflação dos preços.
Deuses olímpicos
os deuses que moravam no Olimpo.
Dialéctica
arte de argumentar ou discutir.
Diáspora
movimento de dispersão que levou milhares de portugueses, desde os séculos XV e XVI, a fixarem-se nas mais diversas e remotas paragens do Mundo, quer inseridos na colonização do Império, quer movidos por razões meramente individuais.
Diáspora (judaica)
dispersão dos Judeus, no decorrer dos séculos.
Diferenciação Social
divisão das sociedades humanas em grupos que se distinguem pela riqueza e pelas funções que exercem, pela situação de domínio ou de dependência de uns em relação aos outros.
Dignidades
cargos.
Dinastia
série de reis da mesma família.
Direito
conjunto de leis que regulam as relações entre os indivíduos de uma sociedade e entre os indivíduos e o Estado.
Direito de Veto
acto pelo qual um indivíduo ou um orgão põe obstáculo temporário ou definitivamente à aplicação das decisões de outro indivíduo ou de outro orgão.
Ditadura
sistema político em que uma pessoa ou um grupo de pessoas, concentram em si e exercem pelo uso da força e da intimidação, o acto de governar.
Ditaduras militares
governos autoritários dominados por militares.
Ditadura do Proletariado
regime considerado de transição para o comunismo pelos marxistas e instaurado na Rússia por Lenine, que consiste na ditadura da classe operária sobre a totalidade da Nação, por intermédio do partido Comunista.
Ditadura Militar
regime político em que as Forças Armadas concentram em si ou exercem, sob a sua tutela, pelo uso da força ou intimidação, todos os poderes do Estado.
Divindade
deus; pessoa ou coisa que se adora.
Divisão do trabalho
método de produção em que cada trabalhador se especializa numa função (que passa a exercer preferencialmente).
Dízima
renda equivalente à décima parte da produção.
Dízimo
taxa de 10% sobre os rendimentos dos camponeses.
Dogma
doutrina que é imposta como a única verdade e, portanto, que não se pode pôr em dúvida.
Domínio senhorial
nome dado à terra, geralmente latifúndio, auto-suficiente, dividida em parcelas (mansos) cultivadas por servos ou colonos, e reserva, explorada directamente pelo senhor (proprietário do domínio) com mão-de-obra gratuita dos servos e colonos. A origem deste tipo de propriedade situa-se nos fins do Império Romano.
Domínio temporal
posse de bens materiais.
E
Eclesiástica
pertencente ou relativa à igreja ou ao clero.
Economia comercial e monetária
designação dada a uma economia em que o comércio constitui o principal vector dinâmico e em que a moeda é instrumento de troca corrente.
Economia de produção
forma de vida de uma sociedade em que o homem já sabe produzir os alimentos de que necessita para a sua alimentação: cultivando a terra (agricultura) e domesticando e criando os animais (pastorícia).
Economia de subsistência
forma de organização económica em que os camponeses se limitam a produzir para consumo próprio e em que as poucas trocas existentes são trocas directas (de produtos e serviços).
Economia de Mercado
forma de vida de um grupo populacional que se dedica à comercialização dos excedentes e onde os metais e a moeda representam um papel fundamental.
Economia esclavagista
sistema de organização económica baseado no trabalho dos escravos.
Economia Planificada
conjunto de disposições adoptadas por um governo que visam atingir determinados objectivos económicos num dado período de tempo.
Economia Produtora
forma de vida de uma sociedade em que o Homem já sabe produzir os alimentos de que necessita para a sua alimentação, através da agricultura e da pastorícia.
Economia Recolectora
forma de vida das populações que se limitam a apanhar do meio natural em que vivem os alimentos de que necessitam para a sua subsistência, não produzindo ainda alimentos.
Emirado
território governado por um emir (governador de província entre os Muçulmanos).
Empresa
instituição/organização destinada à produção/comercialização de bens (agrícolas e industriais) e à prestação de serviços (bancários, de transporte, de gás, de iluminação, etc.). Caracteriza-a a separação entre o capital e o trabalho e pode revestir as formas de empresa familiar ou de sociedade anónima.
Empresa
conjunto de actividades humanas, colectivas e organizadas, regidas por um centro regulador, com a função de adaptar constantemente os meios disponíveis aos objectivos pré-determinados, tendo em vista a produção de bens e a prestação de serviços.
Encarnação
quando um deus ou uma pessoa toma a forma de um corpo humano, o corpo é uma encarnação. A palavra descreve a forma que tomou o Deus cristão, Jesus.
Encomendação
espécie de contrato, originário dos tempos do Baixo Império Romano, em que um pequeno proprietário entregava as suas terras a um Senhor feudal, em troca de protecção.
Eneolítico
período de transição do neolítico para a idade do bronze, em que conjuntamente com a utilização de instrumentos de pedra, já também utilizam instrumentos de metal.
Enfeudação de Portugal à Santa Sé
reconhecimento do papado como o único senhor espiritual e temporal de Portugal e em troca, o reino era protegido de quaisquer outros poderes ou estados.
Enxós
utensílios semelhantes aos machados, que serviam para trabalhar a madeira.
Epopeia
poema em que se narram acções heróicas e grandiosas.
Era Quaternária
período geológico em que se divide a história da Terra.
Eremita
monge que não vive em comunidade, mas sim isoladamente num ermo.
Esclavagismo
sistema económico-social em que a amioria da produção assenta na exploração do trabalho dos escravos.
Escolas seculares
escolas que não pertenciam à Igreja.
Escolástica
método de ensino das Universidades medievais baseado na leitura e na discussão das obras das "autoridades". Também se designa como sendo a ciência medieval resultante do ensino da Filosofia e da Teologia segundo o método escolástico.
Escravos
homens não-livres ou prisioneiros de guerra, que trabalhavam em todos os serviços.Na Grécia Antiga trabalhavam sobretudo nas minas, transportes marítimos e comércio.
Escriba
importante funcionário do Estado e da sociedade, encarregado de redigir os documentos oficiais e de apoiar os serviços administrativos.
Escrita alfabética
sistema de escrita baseado na escrita fonética, em que cada sinal escrito linguístico. Do alfabeto fenício, inventado cerca de 1400 a.C., derivam todas as escritas alfabéticas.
Escrita cuneiforme
escrita suméria de formato triangular, feita com uma cana afiada em cunha, sobre placas e cilindros de barro.
Escudeiros
auxiliares de cavaleiros.
Eslavo
grupo étnico e linguístico de povos que vivem na Europa Central e Oriental.
Esperança de Vida
duração média da vida, que pode depender das condições de mortalidade de uma determinada população e de uma dada época.
Esperança de Vida
número de anos que um indivíduo tem, em média, possibilidade de viver no momento do nascimento.
Espírito Santo
os cristãos acreditam que Deus está dividido em três partes - o Pai, o Filho (Jesus) e o Espírito Santo (a parte oculta do Deus cristão que está sempre presente).
Estado Mercador
estado cuja actividade económica fundamental é o comércio. Este tanto pode ser exercido por particulares (isolados ou em companhias), como pelo próprio Estado (caso português do monopólio régio das especiarias orientais).
Estado Novo
sistema político consagrado, em Portugal, pela Constituição de 1933. Período em que predomina o autoritarismo do Estado ligado a um sistema económico e social corporativo. As liberdades individuais foram condicionadas aos interesses da Nação.
Estado Teocrático
estado governado por um soberano, considerado um deus ou representante dos deuses, logo com um poder sagrado.
Estandardização
processo de fabricação que visa reduzir os objectos do mesmo género a um só tipo, unificado e simplificado, segundo um modelo pré-estabelecido, facilitando a produção em massa
Estandardização de Comportamentos
modelação ou uniformização dos comportamentos das pessoas, segundo determinados padrões, que tem por base mecanismos de regulação e controlo das massas na sociedade contemporânea.
Estrangeirados
nome dado em Portugal aos intelectuais que, entre meados do século XVII e a Segunda metade do século XVIII, tendo vivido no estrangeiro, onde adquiriram uma nova forma de pensar, defendiam reformas no ensino, sociedade e até mesmo na economia da época.
Estratificação Social
divisão de uma sociedade em estratos ou escalões segundo uma hierarquia, conforme o conceito de poder, riqueza e dignidade das funções que cada um desses estratos exerce.
Estudo Geral
título com que se designavam as escolas com um ensino mais geral e que concediam licenças para ensinar em toda a Cristandade. Inicialmente era o nome das Universidades.
Evangelista
um protestante que prega tentando persuadir quem o escuta a acreditar em Deus.
Evolução biológica
conjunto de estádios ou fases que, a partir de seres primitivos, conduziu ao aparecimento das várias espécies do reino vegetal e animal.
Excedentes
parte da produção, que não é necessária para o consumo imediato das populações e, por isso, é comercializada.
Existencialismo
corrente filosófica, criada por Jean Paul Sartre, que defende que o facto fundamental da vida repousa na existência do Homem enquanto livre.
Experiencialismo
forma de sabedoria que se identifica com a vivência das coisas, mais próxima da constatação empírica dos sentidos e do bom senso que da reflexão científica.
Época clássica
época de maior esplendor da arte grega, desde o século V ª C. até à conquista da grécia pelos reis da Macedónia (338 ª C).
F
Fabrico em série
tipo de produção industrial ou artesanal capaz de lançar, em grande número e a baixo preço os seus bens no mercado.
Fascismo
regime político criado em Itália por Mussolini em 1925 ou todos os regimes semelhantes ao fascismo de Mussolini.
Fauvismo
estilo artístico do início do século XIX, que surgiu em Paris com Matisse. A sua técnica consiste em fazer desaparecer o desenho sob violentos jactos de cor, de luz e de sol.
Fábrica
estabelecimento industrial de grandes dimensões, onde se pratica a mecanização, se investem avultados capitais e se concentra uma vasta mão-de-obra especializada. Pela sua estrutura e organização, a fábrica é uma empresa capitalista.
Feiras
encontros periódicos de mercadores de diversas regiões para negócios de compra e venda de produtos.
Feitoria
entreposto comercial estabelecido numa determinada região, com a permissão das autoridades locais, com a finalidade de promover os negócios com as populações dessa região e das suas proximidades.
Feminismo
corrente social e política que preconiza a luta para que as mulheres conquistem as mesmas liberdades e os mesmos direitos que os homens
Feudalismo
sistema político, económico e social da Idade Média, que se caracterizava pela decomposição da propriedade (feudo) e enfraquecimento do poder real, em que existia uma relação de dependência entre vassalos e suseranos.
Feudo Ou Benefício
terra que o vassalo recebe do seu senhor, temporária ou vitaliciamente, pela qual possa garantir a sua subsistência.
Fidalgo
indivíduo da alta nobreza.
Fidelidade
cumprimento das obrigações ou contratos assumidos.
Filósofo (do grego philosophos, «amigo da sabedoria»)
pessoa que se dedica à reflexão sobre o mundo e o Homem, com o propósito de encontrar a explicação da realidade, das causas e dos princípios.
Flamengo
da região da Flandres, isto é, dos Países Baixos.
Flutuação dos Preços
alternância na sucessão das situações de alta e de baixa dos preços num mesmo período.
Fonte escrita
documento histórico, com informação escrita, que testemunha a presença do homem e em determinado tempo, as suas acções, as suas ideias, etc.
Fordismo
sistema de racionalização dos métodos de produção que assentava no princípio básico do ritmo máximo da empresa. Na linha de Taylor, Ford idealizou a produção em série ou em massa, método pelo qual são produzidas grandes quantidades de produto estandardizado
Fordismo
organização da produção industrial tendo por base empresas de grande tamanho, resultantes de um processo continuado de concentração de capital. A competitividade das empresas é conseguida com o fabrico em série de produtos standardizados em cadeia de produção. Este processo de produção leva às últimas consequências o princípio da divisão do trabalho.
Foro
tributo em dinheiro ou géneros, ou também o poder de julgar, ou o lugar onde se fazia justiça.
Foros
costumes ou estatutos de uma povoação.
Fossado
obrigação a que os cavaleiros-vilãos e os peões estavam sujeitos e que consistia no tomar parte em expedições militares.
Fórum
praça pública na antiga Roma.
Fratria
reunião de vários clãs; subdivisão da tribo.
Fresco
pintura feita à base de tintas minerais dissolvidas em água sobre um reboco fresco da parede.
Fundamentalismo Islâmico
corrente, dentro da doutrina islâmica, que defende a conservação da religião islâmica tal como era na origem e a sua aplicação de forma integral, quer ao nível da sociedade, quer ao nível do Estado. Para o fundamentalismo islâmico, a lei religiosa é a lei do estado e o Corão é, simultaneamente, livro sagrado, código sagrado, código civil e constituição.
Futurismo
escola artística fundada em 1909 pelo pintor italiano Marinetti, cujos objectivos constam do manifesto futurista: recusa da harmonia e do bom-gosto, recusa do geometrismo intelectual dos cubistas como do sensualismo cromático dos fauvistas, defesa da originalidade, reivindicação da acção, da força, do dinamismo, da técnica, do maquinismo, de tudo aquilo que exprima a vida moderna
G
Gália
Território que abrangia a actual França e o Norte de Itália.
Genocídio
eliminação intencional ou sistemática de um grupo étnico (povo, tribo, etc), nacional, racial ou religioso, através de massacres, exterminação, deportação, etc, como por exemplo, dos judeus pelos nazis.
Governo Oligárquico
governo em que o poder pertence a um número reduzido de pessoas e é exercido em benefício da classe dirigente.
Gótico
estilo artístico que se desenvolveu na Europa dos séculos XIII-XIV, e em Portugal nos séculos XIII-XIV, e se ligou especialmente à construção de catedrais. Ao contrário do românico, é uma arquitectura que nos dá a sensação de leveza, verticalidade e luminosidade. O elemento arquitectónico que melhor o caracteriza é o arco quebrado ou em ogiva.
Grade
uma das alfaias agrícolas que serve para esterroar e aplanar a terra.
Greve
suspensão colectiva da prestação de trabalho, resolvida por combinação prévia entre os trabalhadores subordinados de uma mesma empresa ou de empresas do mesmo sector, tendo por fim obter satisfação para reivindicações de carácter profissional. Num sentido restrito, a palavra designa apenas as paralisações levadas a cabo por operários dos sectores produtivos, onde fizeram o seu aparecimento e onde, ainda hoje, são mais frequentes. Num sentido mais lato, inclui toda a suspensão de trabalho, mesmo do não produtivo e até do não subordinado.
Guerra civil
guerra entre partidos ou grupos do mesmo povo.
Guerra Fria
período de forte tensão após a II Guerra Mundial, entre as duas superpotências U.R.S.S. e os E.U.A.
H
Habitats
Lugares onde se agrupam as habitações.
Hansa
associação de mercadores e, depois, de cidades alemãs.
Helenismo
civilização do período que vai da conquista da Grécia pelos Macedónios à conquista dos Romanos, caracterizada pela fusão dos valores gregos clássicos com os valores das civilizações orientais.
Helénico
relativo à Hélade (Antiga Grécia) ou relativo aos antigos Gregos.
Heresia
doutrina contrária à estabelecida pela Igreja de Roma.
Hégira
início da Era islâmica marcado pelo exílio do profeta (Maomé) em Medina.
Hierarquizada
organizada ou dividida segundo uma certa ordem.
Hinduísmo
religião cujo princípio fundamental é a crença na reencarnação.
Hipogeu
túmulo escavado na rocha, composto por vários corredores e salas ornamentados com pinturas e objectos decorativos.
Holding
sociedade financeira ou grupo de bancos que possuem e controlam a maioria das acções de diversas empresas. O holding é o "patrão" real dessas empresas: realiza as suas operações financeiras, regulamenta e dirige as suas actividades industriais e comerciais. Os capitais das empresas particulares são mais ou menos totalmente absorvidos pelo holding: cada uma delas tem, simplesmente, uma participação do capital global. Moeda fiduciária - Papel-moeda ou nota bancária. Emitida na Europa, desde a segunda metade do século XVII, para fazer face à penúria de meios de pagamento, a moeda fiduciária tinha, nessa altura, o seu valor garantido mediante um depósito de metais preciosos, que se podiam reclamar. A partir do século XIX, o valor facial do papel-moeda deixa de corresponder ao valor em metal depositado nas instituições bancárias, ultrapassando-o largamente. A circulação de notas exige, então, a confiança na existência de reservas que representem parcialmente as emissões.
Homem Bom
pertencia à camada social dos concelhos, podendo possuir terras, estar ligado actividade artesanal ou mercantil.
Hominização
lento processo de evolução física e intelectual do Homem, desde a sua fase simiesca ou antropóide até ao estádio de desenvolvimento actual.
Homo Sapiens
designação dada ao Homem de Neanderthal devido ao seu desenvolvimento psíquico - "homem que sabe".
Hórus
divindade que simbolizava a vitória da inundação do rio sobre o deserto.
Huguenotes
protestantes franceses do século XVII. Foram grandemente influenciados por Calvino, mas tornaram-se impopulares em França e foram corridos.
Humanismo
estudo das línguas, literatura e civilizações grega e romana antigas e adesão a alguns dos seus valores, particularmente ao seu especial interesse pelo Homem entre todas as coisas e seres do mundo, que surgiu na Itália do século XV e daí se propagou aos restantes países europeus.
I
Idade dos Metais
última fase da Pré-História, quando se descobrem os metais e a técnica da sua utilização: cobre, bronze e, por último, o ferro.
Idade Média
designação tradicional do período histórico que, na Europa, vai das invasões bárbaras (século V) até ao início dos Descobrimentos e do Renascimento (século XV). Igreja Católica - conjunto de fiéis que seguem a religião cristã na sua forma tradicional ensinada pela Igreja chefiada pelo Papa (Roma).Ordem religiosa ¿ comunidade de monges ou frades que vive num convento e fez votos de obediência à "regra" desse convento.Reino - estado que tem por soberano um rei.
Igreja
conjunto de fiéis de uma determinada religião, organizados em torno de uma hierarquia de sacerdotes que preside o culto.
Iluminismo Ou Filosofia das Luzes
movimento que defendia que o raciocínio e a experiência davam a explicação a todos os problemas que preocupavam a humanidade e a possibilidade de "iluminar" os homens. Defende a igualdade social, a soberania popular, a liberdade económica e a religião natural.
Iluminura
pintura a cores nos manuscritos da Idade Média.
Imperatores
nome dado pelos soldados aos seus chefes.
Imperialismo
sistema de dominação (política, económica e cultural) das metrópoles sobre as colónias, havendo uma anexação desses territórios e efectivo exercício daquele domínio. Ao contrário do que foi habitual na História, o imperialismo de Atenas não se exerceu sobre as colónias propriamente ditas, mas sobre várias cidades do mar Egeu.
Império
estado constituído por vários territórios, dos quais um exerce o domínio político e a exploração económica sobre os outros.
Império Colonial
conjunto de territórios, mares e povos dominados por um Estado. O domínio do Estado colonizador exerce-se no contexto político-social (subjugação das populações às leis e às autoridades impostas pela metrópole) e económico (exploração das respectivas riquezas agrícolas e comerciais).
Império Romano
estado constituído por uma vasta extensão de territórios anexados e dominados politicamente por um centro (metrópole). No caso do Império Romano, a ideia de domínio foi progressivamente substituída pela de integração de todos os povos, através da concessão da cidadania romana. Também se designa de Império o regime político em que o magistrado supremo é o imperador.
Imunidade
direitos e privilégios ou vantagens pessoais de que alguém goza por causa do cargo ou função que exerce.
Inculcação de Valores
imposição, através da actuação sistemática dos agentes políticos, culturais e dos meios de comunicação de massa, com vista à estandardização de comportamentos.
Independência política
expressão utilizada para caracterizar a autonomia de uma nação que se constitui em Estado e se governa a si própria, sem subordinação a outra.
Indústria lítica
técnica de trabalhar a pedra.
Infanções
a categoria da nobreza mais ligada aos proprietários rurais.
Inflação
processo cumulativo de alta de preços numa dada época e em determinada economia, derivado de distorções existentes entre a quantidade de moeda que circula no mercado e a produção de riquezas, a procura dos produtos e a oferta dos bens, o aumento dos custos e dos salários.
Inquirições
inquéritos ordenados por alguns reis de Portugal, para averiguar a legitimidade das terras e privilégios possuídos pela nobreza.
Instrumento
objecto que o Homem criou e se serve como meio auxiliar para conseguir determinados fins.
Internacional Operária
reunião dos dirigentes das associações e federações operárias de vários países. A internacionalização do movimento operário ficou a dever-se à acção de Karl Marx e Friedrich Engels, que incentivaram a formação da 1 ° Internacional (1864-1876), reunida em Londres. Teve a participação de organismos operários de vários países (Grã-Bretanha, Alemanha, França, E.U.A., Bélgica, Suíça, Itália e Espanha) e contribuiu fortemente para a solidariedade operária internacional, despoletando entre os trabalhadores a consciência de classe.
Ionosfera
camada da atmosfera que se encontra acima da estratosfera. Esta camada estende-se por cerca de 1 000 km, com temperatura crescente e composição variável. Nesta camada os gases são ionizados pela absorção da radiação solar.
Irrigado
regado por meio de canais, canos ou levadas para beneficiar a cultura dos solos.
Islamismo
religião muçulmana, fundada por Maomé.
Islamizado
influenciado ou integrado na civilização islâmica.
Ísis
deusa que personificava a terra do Egipto.
J
Jazidas
lugares onde existem restos ou depósitos de alguma coisa.
Jogral
elemento que cantava e tocava.
Judaísmo
religião judaica; doutrina religiosa dos judeus.
Jugada
imposto da valor variável pago pelos camponeses, que recaía sobre os cereais, vinho e linho.
Justiça maior
casos de pena de morte ou de corte de membros.
K
Kominform
abreviatura do Centro Comunista de Informação.
L
Lágidas
dinastia grega que reinou no Egipto.
Legião Portuguesa
força civil paramilitar, criada pelo governo, para defesa do regime Salazarista, contra a "ameaça comunista".
Legista
pessoa formada em leis pelas universidades medievais.
Legistas
funcionários régios, formados em leis, que defendiam a centralização do poder real em oposição ao feudalismo.
Lei da frontalidade
princípio fundamental da estatuária antiga, caracterizado pela posição rígida do corpo ou cruzados sobre o peito.
Letrado
pessoa erudita, isto é, que tem muita instrução que, geralmente, sabe de leis.
Libação
cerimónia pagã que consistia em provar o vinho ou outro líquido e entorná-lo em honra de uma divindade.
Liberalismo Económico
doutrina económica que surge na segunda metade do século XVIII e vigente nos séculos XIX e XX, que propõe o sistema de economia de mercado e defende a liberdade dos comportamentos económicos individuais.
Liberalismo (Político)
doutrina e sistema de governo que considera que a soberania reside nos indivíduos que constituem a Nação, através da eleição de representantes que formam uma Assembleia.
Liga Hanseática
associação de cidades que dispunham de uma ampla área de negócios, desde o Mar Báltico e Mar do Norte até à Flandres.
Linguagem
conjunto de sinais simbólicos de que o Homem se serve para comunicar entre si, quer através de linguagem gestual ou mímica, quer através de linguagem falada. A linguagem falada, articulada por palavras através da língua, é uma das características que distinguem o Homem dos restantes animais.
Linguagem Holofrásica
linguagem à base de monossílabos e gestos.
Literatura clássica
literatura dos Gregos e dos romanos.
Luta de libertação nacional
movimento, pacífico ou armado, empreendido pelos povos das colónias para se libertarem do domínio dos países colonizadores.
M
Mesosfera
camada da atmosfera que se encontra acima da estratosfera. Esta camada estende-se por cerca de 1 000 km, com temperatura crescente e composição variável. Nesta camada os gases são ionizados pela absorção da radiação solar.
Magia
tentativa de domínio da Natureza através de processos irracionais ou sobrenaturais.
Magistrado
autoridade judicial ou administrativa.
Magistrado Romano
personagem, em Roma, a quem é reconhecida um importante poder na administração da justiça, comandar o exército, recolher os impostos, etc.
Magnetosfera
camada da atmosfera que se encontra acima da mesosfera ou ionosfera, a uma altitude de cerca de 80 km. Corresponde à termosfera.
Maias
antiga civilização Maia, situada na América Central. Este povo demonstrou particular interesse pela observação dos astros, dividindo o ano em 18 meses e 20 dias.
Manifestação Artística
execução de um objecto, de forma que o mesmo dê ao seu autor ou a outras pessoas uma sensação de prazer estético na sua contemplação.
Manso
parcelas de terras cultivadas por servos ou colonos que pertencem ao domínio senhorial.
Maoísmo
regime marxista-leninista instaurado na China e chefiado por Mao Tse-Tung, diferenciado pelo seu carácter rural e pela Revolução Cultural, que foi uma tentativa radical de passagem excessivamente rápida à fase comunista do socialismo.
Maquinofactura
por oposição à manufactura, a maquinofactura é o modo de produção em que as máquinas passam a exercer um papel determinante nas fábricas, pela maior velocidade e maior quantidade de artigos que produzem (relativamente ao trabalho braçal do operário).
Maravedi
antiga moeda de pequeno valor que circulava na Península Ibérica.
Mare Clausum
expressão latina que significa mar fechado (à navegação estrangeira). Pelo Tratado de Tordesilhas, e invocando a prioridade das descobertas, Portugal e a Espanha asseguraram o direito exclusivo a "tudo o que até aqui é achado e daqui em diante se achar" nas respectivas áreas definidas no Tratado.
Marxismo-leninismo
interpretação do marxismo por Lenine e, a partir de 1917, sua aplicação à realidade da Rússia, com a instauração da ditadura do proletariado, representado pelo Partido Comunista, e a transformação da Rússia em União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).
Mastaba
túmulo de pedra ou tijolo, com a forma exterior de tronco de pirâmide.
Mecanização agrícola
processo de produção de bens agrícolas em que se substitui a força humana e animal por maquinaria (ceifeiras, debuIhadoras, enfeixadoras, etc.), de modo a obter-se um aumento da produtividade.
Media (Ou Mass Media)
conjunto de meios de comunicação de massa (televisão, rádio, cinema, grande imprensa, discos), capazes de difusão maciça de informação por um grande número de pessoas e a grande distância.
Megálitos
monumentos neolíticos constituídos de grandes pedras rústicas (não aparelhadas) e que se julga terem tido diferentes funções, como: monumentos funerários, de culto dos astros e da Natureza, locais de reunião das tribos, etc. Os mais vulgares no território português são as antas ou dólmenes e parece fora de dúvida tratar-se de monumentos funerários.
Meirinho
antigo funcionário régio com a função de cobrar impostos e de administrar a justiça.
Mencheviques
os elementos mais moderados do partido social-democrata (socialista), que constituíam uma minoria
Mercado
local de compra e venda de produtos, de âmbito geográfico mais restrito e de periodicidade mais frequente.
Mesolítico
período de transição entre o Paliolítico e o Neolítico, que decorreu por volta do 11.º milénio a. C. ao 8.º milénio a.C.
Mesquita
templo de oração dos Muçulmanos.
Messianismo
no Antigo Testamento, expectativa de um Messias, isto é, a esperança de um salvador ou redentor.
Messias
palavra hebraica que significa alguém que foi enviado por Deus para libertar uma nação e conduzir o seu povo de acordo com os desejos de Deus Ortodoxa Oriental um ramo da Igreja Cristã predominante na Europa do Leste, Grécia e Turquia.
Metalurgia
técnica de extracção dos metais a partir dos seus minérios e do tratamento dos mesmos de forma a torná-los utilizáveis.
Metecos
homens livres, que se dedicavam ao comércio e artesanato, estrangeiros de nascimento, que habitavam em Atenas.
Metrópole
cidade donde partiam as populações que iam fundar uma colónia.
Método Experimental
consiste em observar, classificar, formular uma hipótese e verificar a sua validade por meio de experiências apropriadas.
Migrações internas
movimentos populacionais que se realizam dentro do mesmo país. Profundamente enraizados nos hábitos de certas populações campesinas, estes movimentos registam-se, quase sempre, entre zonas rurais com culturas sazonais desencontradas no tempo, ou entre os campos e os centros urbanos e industriais com grande oferta de emprego. Ao contrário da grande emigração, as migrações internas são habitualmente temporárias e de curta duração, tendo, por isso, consequências demográficas e económicas menos importantes.
Milícias Armadas
forças paramilitares destinadas à defesa e expansão de uma ideologia totalitária.
Missi-dominici
enviados do senhor, que percorriam o Império com a missão de controlar a aplicação das capitulares.
Mito
a)narrativa fabulosa em que um qualquer aspecto do real é explicado graças à acção de seres sobrenaturais in illo tempore. b) Exposição de uma ideia de uma forma voluntariamente poética (cf. O mito em Platão). c) Imagem de um futuro fictício e até irrealizável que exprime os sentimentos de uma colectividade e a leva a agir.
Mito
contos que relatavam acções fabulosas de deuses ou de heróis.
Mocidade Portuguesa
organização paramilitar, que fazia propaganda doutrinária do regime Salazarista junto da juventude portuguesa.
Moçárabes
designação dada às populações cristãs que viveram em território dominado por Muçulmanos, embora conservando a maior parte das suas tradições e crenças.
Modernismo
movimento que fez a ruptura com as tradições académicas, pela liberdade de criação e de pesquisa estética e busca de inspiração nas fontes mais autênticas da cultura e da realidade.
Moeda
instrumento de troca e meio de pagamento de bens, produtos e serviços que se pretendem adquirir. Ao longo da História a moeda revestiu várias modalidades. Entre as moedas metálicas, a de ouro é a mais valiosa.
Monaquismo
estado de vida e instituição do clero regular na Idade Média.
Monarquia
regime de governo em que a autoridade suprema é o rei.
Monarquia Constitucional
é um regime em que o chefe de Estado é o rei, mas em que assenta na separação de poderes expressa numa Constituição.
Monopólio
grande unidade económica que se apodera do mercado de um produto; detém a oferta global, controla as quantidades a colocar no mercado e fixa os seus preços.
Monopólio Régio Ou Estatal
regime de exclusividade do Estado para o financiamento, fisco, fabrico, compra ou venda de produtos ou prestação de serviços em determinadas áreas do seu território.
Monoteísmo
religião baseada na crença num deus único.
Motins populares
revoltas ou sublevações populares, geralmente espontâneas e violentas.
Mouros
designação atribuída aos Muçulmanos de Marrocos.
Movimento operário
expressão utilizada para designar a luta dos operários em prol da sua causa. Essa luta desencadeou-se com os objectivos de melhorar as condições físicas, materiais e económicas do trabalho operário e dignificar socialmente as profissões operárias, melhorando a qualificação profissional e o nível sociocultural das classes trabalhadoras. Ainda pretendiam alterar a legislação sobre o trabalho fabril de modo a reforçar os direitos cívicos dos operários e a aumentar a sua participação na vida política.
Movimento Comunal
movimento de reacção dos habitantes das cidades, liderados pelos grandes burgueses, contra os senhores feudais, com a finalidade de obterem a liberdade e o direito de eles próprios se organizarem.
Movimento Pacifista
movimento de carácter cultural mas também político e até religioso que rejeita a guerra, defendendo a possibilidade e necessidade de soluções consensuais pacíficas para os conflitos entre as nações.
Muçulmano
o mesmo que maometano, isto é, seguidor da doutrina de Maomé.
Mundo Socialista
conjunto dos países que seguem o regime socialista, liderado pelo partido comunista, que defende a colectivização dos bens de produção, as nacionalizações e um regime autoritário.
Município
cidade com o respectivo território circundante, a Ro iam o direito de s anizar administrativamente, podendo mesmo eleger um governo local. E , p oma, os município alguns privilégios e uma certa autonomia administrativa e financeira.
Múmia
cadáver conservado por meio de substâncias químicas ou balsâmicas.
N
Nacionalismos
política ou atitude de alguns Estados no sentido de uma defesa dos valores nacionais, como a raça, a história nacional, que, levada ao extremo, conduz a uma predisposição para a recuperação de fronteiras antigas, logo, a uma atitude expansionista e bélica.
Nacionalização
transferência forçada, mas legal, da propriedade de empresas privadas, que passam a constituir empresas públicas, mediante ou não indemnização. É uma providência de carácter socialista ou socializante.
Navegação Astronómica
navegação no alto mar em que a orientação dos navegadores se faz essencialmente por meio da observação dos astros.
Nazismo
sistema político, económico, social e ideológico que assenta no partido político chefiado por Hitler na Alemanha, instaurando um regime totalitário, de terror, genocídio, política de guerra.
Não-Alinhamento
doutrina e política que consiste em recusar alinhar com algum dos blocos políticos, apoiando-o nas suas teses e atitudes.
Neocolonialismo
novo colonialismo através de uma certa dominação económica, cultural e às vezes política, exercida pelos países desenvolvidos sobre suas antigas colónias ou outros países do Terceiro Mundo.
Neoliberalismo
doutrina defendida por alguns economistas e políticos do nosso tempo que preconiza um certo regresso ao liberalismo do século XIX, isto é, a não intervenção do Estado, a defesa da iniciativa privada e a livre concorrência.
Neolítico
período da vida da Humanidade em que já eram usados instrumentos de pedra polida e em que o Homem passa de uma vida nómada a uma vida sedentária, cultivava a terra e domesticava os animais. Decorreu por volta do 10º milénio ao 4º milénio a. C..
Neutralidade
recusa voluntária de um Estado a tomar partido por qualquer dos beligerantes, no caso de um conflito.
Nobreza
ordem privilegiadas que se distinguia pela honra e dignidade das funções (classe guerreira por excelência).
Nobreza de sangue
categoria de nobres que, por serem de linhagem, herdavam a sua condição social dos seus antepassados.
Nobreza de toga
categoria de nobres que, geralmente, obtinham o grau de nobreza por concessão dos monarcas ou como reconhecimento de mérito, pagamento de favores prestados, ou por inerência com determinadas funções (diplomáticas, judiciais, administrativas, etc.).
Nomadismo
modo de vida das populações que, praticando a actividade recolectora, têm necessidade de se deslocar constantemente à procura dos alimentos.
Nomadismo sazonal
género de vida nómada em determinadas estações do ano.
Nupcialidade
representa o número de casamentos numa dada época ou região.
NATO Ou OTAN
aliança militar criada para assegurar o respeito do Pacto do Atlântico, assinado entre países Ocidentais, com o objectivo de defesa em relação à União Soviética ou outros países comunistas de Leste.
O
Olaria
arte de fabricar objectos de barro.
Oligarquia
regime político em que o poder pertence a um pequeno número de famílias ricas e poderosas.
Olimpo
montanha da Grécia de elevada altitude, que segundo os Gregos Antigos era a morada dos deuses.
Oráculo
resposta dada por uma divindade a quem a consultava; lugar onde davam os oráculos.
Ordálias
provas de justiça a que eram submetidos os acusados, com água a ferver e ferro em bras. No caso de saírem a salvo dessas provas eram, geralmente considerados inocentes.
Ordem Mendicante
ordem de monges fundada no século XIII, que viviam de esmolas e cujos conventos se situavam nas cidades.
Osíris
deus que representava a água do Nilo.
Ostracismo
condenação ao exílio, fora da cidade.
P
Pacto de Varsóvia
aliança com fins essencialmente militares, de assistência mútua e cooperação entre os países comunistas e a U.R.S.S., como resposta à NATO.
Pacto de Varsóvia
organização de defesa e segurança criada pelos antigos países de Leste, em 1955, em resposta à criação da NATO.
Padres da Igreja
autores cristãos que exerceram profunda influência na vida da Igreja, anteriores ao século VIII.
Palácio
residência do rei, com as funções de centro político e económico.
Paleolítico
período da vida da Humanidade em que o Homem fazia de pedra lascada os seus principais instrumentos.
Pangermanismo
ideologia que defende a união de todos os povos germânicos num só Estado.
Pan-eslavismo
ideologia que defende a união de todos os povos eslavos num só Estado.
Papa
o chefe mundial da Igreja Católica. Perseguir: tratar mal as pessoas por causa da sua raça ou religião.
Papiro
planta fibrosa dos pântanos do delta do Nilo.
Partido político
agrupamento reconhecido de pessoas que defendem uma determinada ideologia e pretendem, simultaneamente, canalizar a expressão do compromisso político dos cidadãos e conquistar ou participar no poder.
Peão
pequeno proprietário rural ou ligado aos oficíos e que, também, podia servir no exército.
Pentatlo
conjunto de provas que incluía a corrida pedestre, salto em comprimento, lançamento do disco e do dardo e luta.
Peregrinação
viagem a lugar santo ou de devoção.
Período arcaico
período inicial da arte grega, do século VIII ao século VI ª C..
Picota ou cegonha
engenho de madeira par,, dos poços de pequena profundidade.
Pirâmide de Idades
representação gráfica da repartição da população segundo a idade e sexo.
Planificação Económica
conjunto de disposições adoptadas por um governo que visam atingir determinados objectivos económicos num dado período de tempo. As planificações são diferentes consoante o regime político: imperativa, dos regimes socialistas; indicativa, dos regimes capitalistas.
Planícies aluviais
planícies formadas por restos ou depósitos de matérias orgânicas e inorgânicas deixadas pelas águas.
Planos quinquenais
previsão de meios e disposições de acções para a consecução de um projecto na duração de cinco anos.
Plebe
povo; estratos mais baixos de uma sociedade
Pleno emprego
expressão que indica a situação em que todas as pessoas, em idade de trabalho e que desejam trabalho, o obtêm.
Poder autárquico
o poder ou competências, constitucionalmente atribuídos às autarquias, em especial às Assembleias Municipais e às Câmaras Municipais.
Poder autocrático
autoritário; ditatorial; que não é democrático.
Poder executivo
poder de decisão que têm os governantes.
Poder judicial
poder de aplicar a justiça, isto é, de julgar os indivíduos que não cumprem as leis e de resolver conflitos entre pessoas.
Poder legislativo
poder de fazer as leis.
Poder sacralizado
forma de poder político em que a autoridade dos chefes (rei, sacerdotes) é exercida em nome deuses, ou porque o rei é considerado deus, ou porque é considerado representante dos deuses. O poder sacralizado identifica-se com os «estados teocráticos».
Polis
comunidade de cidadãos a quem competia a administração política da cidade, logo identificava-se, também, com o Estado. Cidade grega na qual se incluía o território das redondezas, cujos habitantes tinham o seu próprio governo, independente do das cidades vizinhas.
Politeísmo
sistema religioso em que se presta culto a vários deuses.
Políptico
quadro pintado em vários painéis, independentes, embora relativos ao mesmo tema.
Política de Blocos
política de rivalidade e de tensão entre os dois blocos que dividem o mundo, liderados pelos E.U.A. ou pela U.R.S.S., divergentes em estruturas políticas, económicas, sociais e ideológicas.
Política de Transporte
expressão adoptada pelo historiador António Sérgio para definir a organização do comércio português com o Oriente, que consistia fundamentalmente no transporte das especiairias para a Europa.
Popa
parte posterior do barco.
Portulanos
cartas naúticas onde se indicavam os principais portos e linhas de rumo.
Pousio
terra cujo o cultivo foi interrompido para descanso da mesma e, assim, se tornar mais fértil.
Povos Ameríndios
povos indígenas americanos que viviam na América antes da chegada de Cristovão Colombo (povos pré-colombianos).
Pórtico
átrio com colunas ou pilares na frente de alguns edifícios.
Predestinação
a crença de que os acontecimentos da vida das ~ estão determinados e controlados e que são inalteráveis.
Presbiteriano
um ramo da Igreja Protestante, influenciado por Calvino, maioritariamente de povos de língua inglesa.
Principados
estados independentes, cujo soberano tem o título de príncipe.
Privilégio
direito ou vantagem, conferido a certa pessoa, grupo, classe ou ordem, que os demais não têm.
Produção em massa
produção em grande quantidade e sem preocupação com a qualidade.
Profissões liberais
conjunto de profissões de natureza não comercial e não industrial que se exercem de modo livre e independente, por conta própria. Reconhecem-se como profissões liberais a medicina, a advocacia, a jurisprudência, e ainda certas profissões intelectuais como professores, engenheiros, arquitectos, escritores, cientistas, etc.
Progressos cumulativos
processos dinâmicos em que a reacção aos fenómenos conduz a uma série de efeitos positivos que actuou, posteriormente, sobre as suas causas, de modo a se obterem resultados mais intensos.
Proletariado
operários das fábricas que nascem com a Revolução industrial e dispõem de péssimas condições de vida.
Proletarização
acto de tornar proletário (operário); empobrecimento.
Propaganda
conjunto de acções (escritos, discursos, publicidade nos meios de comunicação, etc) que têm por finalidade convencer as massas a adoptarem ou apoiarem certas ideias ou posições políticas e sociais. No aspecto económico, a propaganda traduz em publicidade para convencer ao consumo de determinados produtos.
Propulsor
aparelho de arremesso.
Proteccionista
que protege, através de subsídios, benefícios fiscais ou outros.
Protectorado
estado (mais fraco) submetido a outro (mais forte) mediante certas condições.
Puritano
movimento protestante dos séculos XVI e XVII. O movimento desejado para purificar a Igreja das cerimónias e decorações desnecessárias. Ressurreição: uma elevação de entre os mortos ou um regresso à vida. Os cristãos acreditam que Jesus se elevou de entre os mortos, facto que ficou conhecido como a sua Ressurreição.
Q
Qualidade de vida
designação dada ao estilo de vida de uma sociedade tendo em vista que os seus membros possam satisfazer, além das necessidades essenciais de alimentação, vestuário, habitação e saúde, outras necessidades mais elevadas, como as da cultura, dos tempos livres, etc.
Quebra da Moeda
processo de desvalorização da moeda que consiste na recolha de todas as moedas em circulação para as derreter e cunhar de novo, diminuindo-lhes o peso mas mantendo-lhes o mesmo valor facial.
Quebra Demográfica
fénomeno de recuo ou paragem demográfica, devido a factores exteriores, levando ao aumento da taxa de mortalidade e ou baixa na taxa de natalidade.
R
Racionalismo
doutrina que afirma a autoridade da razão, rejeitando a crença mítica e a intervenção divina na explicação dos fenómenos da Natureza.
Racismo
doutrina que considera, erradamente, haver diferenças de valor entre as raças e atribui superioridade (física, intelectual, moral) a uma em relação às outras.
Raspadores
instrumentos de pedra que serviam para raspar.
Recolectores
seres humanos que se alimentam daquilo que apanham e recolhem, sem produzirem nada para a sua subsistência.
Reconquista
campanhas desenvolvidas por cristãos na Península Ibérica para recuperar os territórios ocupados pelos Muçulmanos, aquando da conquista por estes no início do século VIII.
Reformismo
teoria e acção política que pretende a reforma das instituições (políticas, sociais, económicas) sem recurso à revolução, mas pela percursão, pela mobilização da opinião pública, pelo exemplo e pelo governo.
Regente
pessoa encarregada de reger (dirigir em nome do rei) um Estado, temporariamente.
Regência
governo interino numa monarquia, por impedimento ou falta de monarca.
Regra
conjunto de princípios que regem as ordens religiosas.
Regressão Económica Ou Recessão Económica
fase da evolução económica de um país, ou de uma época, caracterizada por uma baixa de produção. As actividades comerciais e industriais diminuem, e a agricultura, como não há procura de excedentes, decai também.
Reguengo
terra de pertença privada do rei.
Relações de Produção
relações que se estabelecem entre as diversas classes sociais determinadas pela função que cada uma delas representa no processo económico.
Relego
privilégio do rei e dos grandes senhores, em que tinham o direito de durante os tr~es primeiros meses do ano, só o seu vinho poder ser vendido.
Religião
é a expressão de um sentimento de dependência em face de um poder exterior a nós mesmos, podendo ser espiritual ou moral (Radcliffe Brown).
Republicanismo
ideologia político-cultural originária das revoluções americana e francesa, que se desenvolveu em Portugal na 2ª metade do século XIX, e cujo objectivo fundamental era abolir o regime monárquico e substituí-lo pelo regime republicano, o que viria a acontecer em 1910.
República
sistema de governo em que um ou mais indivíduos eleitos pelo povo exercem o poder supremo por um determinado tempo.
Repúblicas aristocráticas
forma de governo controlado pela nobreza.
República Aristocrática
sistema político em que o poder é exercido pelos grupos sociais privilegiados (nobres ou plebeus enriquecidos).
Reserva
parte do domínio senhorial explorada directamente pelo senhor com mão-de-obra gratuita dos servos e colonos.
Resistência
nome dado às actividades clandestinas nos países ocupados pela Alemanha durante a 2ª Guerra Mundial. Os grupos da Resistência apoiaram os Aliados graças a informações, sabotagens, luta armada, desempenhando assim importante papel na libertação dos seus países.
Revisionismo
atitude daqueles que dentro de um movimento político, social e económico, pretende apresentar novas interpretações dos seus fundamentos, contrárias à interpretação estabelecida ou diferente dela.
Revolução
conjunto de transformações profundas na vida de uma sociedade, ou de toda a humanidade, que se verificam num espaço de tempo relativamente curto.
Revolução industrial
revolução industrial - Em sentido estrito, é um conjunto de transformações técnicas e económicas que se iniciaram na Inglaterra na segunda metade do século XVIII, e se alargaram a quase todos os países da Europa e da América do Norte no decorrer do século XIX, que provocou a rápida mudança nos modos de produção (da manufactura passou-se à maquinofactura). Em sentido lato, a revolução industrial significa o conjunto de modificações estruturais profundas que se estabeleceram na economia, na sociedade e na mentalidade do mundo ocidental, no período atrás referido, e que se saldaram no fortalecimento da economia capitalista e na implantação da sociedade de classes, assente na dicotomia burguesia-proletariado, e da mentalidade burguesa.
Revolução neolítica
designação dada ao conjunto de transformações que, tendo começado pelo 8 ° milénio a.C., vieram a modificar profundamente a vida da Humanidade. Essas transformações, embora lentas e graduais, significaram um momento de ruptura no processo evolutivo da Humanidade relativamente ao período anterior (Paleolítico). Pode dizer-se que essa ruptura se traduz, fundamentalmente, na passagem de uma economia recolectora para uma economia produtora.
Revolução Burguesa
revolução liderada pela burguesia e que vai ao encontro dos seus interesses.
Revolução Cultural
movimento político e social da China, entre 1966 e 1968, o qual pretendeu radicalizar a sociedade socialista marxista, contra a burocratização e o seu economismo.
Revolução Francesa
acontecimento histórico que põe fim ao Antigo Regime, com a queda do Absolutismo e inicia a época de revoluções liberais.
Ricos Homens
governadores das terras, em nome do rei.
Rito Mágico
cerimónias (pinturas, venerações, danças, etc) que o Homem realiza na tentativa de domínio da Natureza.
Romanização
difusão da civilização romana pelos povos conquistados.
Românico
tipo de arte que se desenvolveu na Europa entre os séculos XI e XII, ligado à arquitectura religiosa de igrejas e mosteiros. Caracterizado por ser um edifício tipo fortaleza, com obscuridade interior, arco redondo, abóbada de berço e os contrafortes exteriores.
Rotativismo democrático
prática política nos regimes democráticos parlamentares que consiste em dois partidos ou dois blocos partidários, alternarem no governo, conforme aquele que detenha a maioria no Parlamento.
Rota caravaneira
caminho ou percurso, geralmente através do deserto, que era seguido por um grupo de comerciantes e viajantes, montados em camelos.
Rota comercial
caminho ou rumo (terrestre, fluvial ou marítimo) por onde circulam os produtos e mercadorias que são objecto de trocas regionais ou internacionais.
Rota fluvial
percurso seguido por comerciantes ou viajantes, que se deslocam de barco, navegando ao longo de um rio.
Ruralização
fenómeno da vida económica e social que se caracteriza pela predominância quase exclusiva da agricultura sobre os restantes sectores da economia e pela concentração das populações nos campos.
S
Sacralização
acto de tornar sagrado.
Sans Culotte
elemento do povo que vestia calças compridas, em vez de calções usados pela nobreza e burguesia, vestindo, ainda, um casaco curto e barrete vermelho. Estes elementos tomaram parte activa na Revolução Francesa, sobretudo a partir de 2 de Junho de 1792.
Santo Imperador Romano
título dado a Carlos Magno em 800 d. C. e aos seus sucessores. Eram reis germânicos que dominaram a maior parte da Europa, com a bênção do Papa.
Sedentarização
fixação permanente de um grupo humano num determinado local, onde constrói as suas habitações e onde vive produzindo os alimentos de que necessita através da agricultura ou da pastorícia.
Segregação racial
expressão utilizada para significar a situação de um grupo ou grupos sociais, geralmente minoritários, que são marginalizados, isto é, são-lhes negados alguns direitos.
Seguros
instituições que agrupam um conjunto de associados que pagam uma quota para um fundo comum com a finalidade de serem indemnizados em caso de prejuízo nas suas actividades, resultantes de situações previstas ou imprevistas.
Selêucidas
monarcas sírios.
Self-made man
expressão inglesa que significa, à letra, o «homem que se faz a si próprio». No século XIX, esta expressão foi empregue com frequência para designar os homens de origem humilde que, à custa dos méritos próprios e do trabalho, alcançaram posição de destaque nos negócios, na política, nas profissões liberais ou nas letras.
Semita
povos que, segundo a tradição, pertencem à raça oriunda de Sem, filho de Noé, tais como hebreus, assírios, aramaicos, fenícios e árabes.
Senado Romano
assembleia legislativa e consultiva constituída por antigos magistrados que era, teoricamente, a mais alta autoridade do Estado.
Senhorio
domínio agrário medieval, geralmente de grandes dimensões, em que o proprietário exerce sobre os camponeses que nele trabalham uma autoridade política e judicial: recebe impostos, administra a justiça, organiza o serviço militar, etc.
Senhorio Capitalista
propriedade concedida pelo rei a um particular (exemplo, uma capitania) em quem delega atributos de soberania (direito de cobrar impostos, administrar a justiça, etc). No senhorio capitalista a mão-de-obra é livre ou escrava, mas não servil, e o senhor tanto pode ser nobre como burguês. A exploração económica é feita na mira do lucro e do investimento.
Separação dos Poderes
teoria que defende a divisão dos poderes legislativo, judicial e executivo, sendo cada um desses poderes atribuído a um diferente órgão competente.
Serviços
conjunto de actividades do chamado «sector terciário urbano» (segundo Colin Clark). Por outras palavras, as actividades não produtivas de bens de consumo, que apenas desempenham tarefas úteis à colectividade ou a outrem. Incluem-se nos serviços os transportes, a armazenagem, as comunicações, a administração pública, os serviços colectivos públicos (saúde, incêndios, polícia, ensino, limpeza e lixos, etc.) ou os serviços prestados por empresas particulares no campo recreativo, hoteleiro, comercial e pessoal ou outras actividades afins.
Serviço de hoste
serviço militar.
Servidão
sistema social em que existem servos ou pessoas em situação de dependência relativamente a outras.
Servo
designação atribuída a um indivíduo que trabalhava a terra e se transferia com ela, embora não fosse escravo, durante o período da Idade Média.
Sindicalismo
movimento associativo dos operários para a criação dos sindicatos.
Sindicato
associação de classe, de carácter profissional, que congrega empregados de empresas públicas ou privadas (trabalhadores de serviços ou operários). Os sindicatos foram concebidos como organismos representativos dos trabalhadores com a mesma profissão ou profissões conexas, e tinham como finalidade o estudo e a defesa dos direitos e interesses profissionais, nos seus aspectos moral, social e económico.
Sindicatos
associações de trabalhadores que defendem os seus direitos e interesses comuns, tais como salários e condições de trabalho.
Skires
povo bárbaro que fazia parte do exército romano como mercenários.
Soberania
autoridade ou poder do Estado.
Soberania Popular Ou Soberania Nacional
teoria que defende que os vários poderes, legislativo, executivo e judicial, pertencem à nação.
Social Democracia
regime político em que o governo, apoiado por uma maioria de deputados eleitos, procura limitar o poder do grande capital através de reformas sociais e económicas no sentido de uma melhoria do nível de vida das classes trabalhadoras.
Socialismo
doutrina política e social que tem por objectivo a igualdade social e económica, através da passagem dos meios de produção da propriedade privada para a propriedade colectiva.
Socialismo de Mercado
economia que não tem uma planificação central e obedece a regras do mercado, onde as empresas têm autonomia, estabelecendo a sua produção, preços e circulação de produtos.
Sociedade de castas
sociedade estratificada em castas, isto é, em grupos hierarquizados, fechados e com carácter hereditário.
Sociedade de classes
tipo de sociedade que substituiu a sociedade de ordens tradicional após a queda do absolutismo e a vitória das doutrinas e das revoluções liberais. Nascida do liberalismo ideológico-político e concretizada durante a evolução da industrialização e do capitalismo, baseia-se na igualdade jurídica de todos os cidadãos perante a lei, no respeito pelos direitos naturais dos homens e pela liberdade individual em todos os sectores.
Sociedade de Consumo
modelo de sociedade característica dos países ocidentais industrializados, em que uma grande produção corresponde a um forte consumo, mesmo ostensivo.
Sociedade de Ordens
organização de uma sociedade que se caracteriza pela divisão em vários estratos ou camadas de pessoas segundo uma hierarquia de posições sociais.
Sociedade estratificada
modelo de sociedade organizada em escalões (estratos), hierarquizados de acordo com determinados valores, como o poder, a dignidade de funções e a riqueza de cada um desses estratos populacionais.
Sociedade multinacional
empresa que, com sede num determinado país, faz os seus negócios em vários outros países, onde cria novas sociedades, suas filiais, para tal efeito.
Sociedade Feudal
concepção medieval da sociedade segundo a qual esta se dividia em três "ordens" hierarquizadas segundo critérios de honra e dignidade que entre elas se estabeleceram.
Spn/Sni
secretariado de Propaganda nacional (1933-1944), encarregue da propaganda oficial do regime salazarista e responsável pela censura dos meios de comunicação. A partir de 1944 passou a chamar-se Secretariado Nacional, Cultura Popular e Turismo, conhecido por SNI.
Stock
quantidade de produtos ou mercadorias armazenados para venda.
Subdesenvolvimento
situação dos países cujas populações são extremamente pobres e não conseguem fazer crescer a sua economia de modo a alcançar o desenvolvimento.
Sufrágio
sistema de escolha ou decisão por meio de votos, que vão permitir a eleição.
Sufrágio Censitário
o direito de votar é apenas para as pessoas proprietárias de bens ou dispondo de um certo rendimento.
Sufrágio Universal
o direito de votar para todas as pessoas a partir de uma certa idade, contando que tenham capacidade civil e não se encontrem condenadas por certos crimes.
Superpotência
termo utilizado para destacar a hegemonia dos E.U.A. e U.R.S.S. no mundo, sobretudo nos planos económicos e militares.
Superprodução
produção de mercadoria(s) em excesso, isto é, em quantidade superior às necessidades de absorção do mercado consumidor.
Surrealismo
movimento literário e artístico, criado por Freud e que defende a fuga, a libertação da realidade, pondo de parte a razão e entregando a arte ao inconsciente.
T
U
Ultimato
exigência, com prazo marcado, feita por um Estado a outro, sob ameaça de guerra.
Universidades
escolas de ensino superior fundadas na Idade Média, que podiam ser frequentadas por todos os estudantes que o desejassem, leigos e clérigos, nacionais e estrangeiros.
Urbanismo
sistema reflectido de construção, organização e melhoramento das cidades edifícios, dos arruamentos, do sistema de esgotos, dos espaços culturais e de lazer.
Urbanização
acto ou efeito de tornar urbano ou citadino; isto é, de transformar em cidades. A palavra «urbanização» designa especificamente o crescimento das cidades, quer no seu número, quer no aumento da área que ocupam, quer na quantidade de pessoas que congregam. Fenómeno contemporâneo e mundial, ela acentuou-se na Europa e no mundo ocidental, simultaneamente com a industrialização, da qual é considerada uma consequência.
Urbanização
processo caracterizado pela deslocação de população do meio rural, para o meio urbano.
V
Varegos
mercador.
Vassalidade
contrato pelo qual o vassalo se liga ao senhor por laços de dependência pessoal.
Vassalo
cavaleiro medieval, que se colocava na dependência do rei ou de outro nobre mais poderoso ou mais rico, a quem jurava fidelidade e prometia prestar serviços, a troco de um feudo.
Velas latinas
velas triangulares que permitiam uma manobra mais fácil dos barcos e navegar com ventos contrários.
Venalidade dos cargos
característica de certos cargos públicos, no regime absolutista, cuja titularidade podia ser vendida a particulares ou transmitida por herança.
Vento solar
fluxo contínuo de partículas com carga, principalmente protões e electrões, orientado da coroa solar para o espaço interplanetário.
Vilãos
homens livres que estavam impedidos de casar fora do senhorio ou de transmitir bens aos herdeiros sem autorização do senhor, embora pudessem mudar de senhorio.
Villa
propriedade rural de um senhor, onde tinha habitação e outra dependências.
Vintismo
tendência do liberalismo português, na sequência da Revolução de 1820 e consagrada na Constituição de 1822. É caracterizado pelo radicalismo das suas posições, ao instituir o dogma da soberania popular.
Volume cerebral
espaço ocupado pelo cérebro.
W
X
Y
Z
Zigurate
designação das torres com andares da Mesopotâmia, em cujo cume era construído um santuário.
Zonas lacustres
zonas situadas à margem dos lagos ou lagunas.
Zwingli Ulrich
um reformador protestante suíço (1484-1531). Inicialmente, foi um sacerdote católico romano, mas abraçou o movimento protestante sob a influência de Martinho Lutero.